Ministro Gilmar Mendes exclui Bolsa Família do teto de gastos

Pela decisão do ministro do STF, a verba para viabilizar o valor de R$ 600 do Auxílio Brasil pode ser obtida por meio da abertura de crédito extraordinário

O Liberal
fonte

Os recursos destinados ao pagamento de benefícios para garantir renda mínima aos brasileiros - como o Auxílio Brasil, que voltará a se chamar Bolsa Família - ficam fora do chamado teto de gastos, conforme decisão tomada neste domingo (18), pelo ministro Gilmar Mendes do Supremo Tribunal Federal (STF). Ainda pela decisão, motivada por um pedido feito pela Rede Sustentabilidade, a verba para viabilizar o valor de R$ 600 do benefício pode ser obtida por meio da abertura de crédito extraordinário. As informações são do G1 Nacional.

“Reputo juridicamente possível que eventual dispêndio adicional de recursos com o objetivo de custear as despesas referentes à manutenção, no exercício de 2023, do programa Auxílio Brasil (ou eventual programa social que o suceda (...) pode ser viabilizado pela via da abertura de crédito extraordinário (...), devendo ser ressaltado que tais despesas (...) não se incluem na base de cálculo e nos limites estabelecidos no teto constitucional de gastos”, decidiu o ministro.

VEJA MAIS

image Senado aprova, em dois turnos, PEC da Transição que aumenta teto de gastos; texto vai à Câmara
O texto possibilita o pagamento da parcela de R$ 600 do Bolsa Família, atual Auxílio Brasil, para o próximo governo

image PEC da Transição é aprovada em comissão do Senado e agora vai ao Plenário
Para ser aprovado, texto passou por mudanças, como a redução do valor

image PEC da Transição: relatório propõe Bolsa Família fora do teto por 2 anos e fixa valor em R$ 198 bi
Se aprovado na Comissão, o texto vai para votação no plenário do Senado na quarta-feira (7)

“Os recursos financeiros existem para fazer frente às inúmeras despesas que decorrem dos direitos fundamentais preconizados pela Constituição”, escreveu Gilmar Mendes.

Proposto em 2016 pelo então presidente Michel Temer, o chamado teto de gastos está em vigor desde 2017, impondo um limite no valor que o governo federal pode gastar a cada ano. A decisão do ministro do Supremo ocorre em meio a negociações entre o novo governo e o Congresso para a aprovação da proposta de mudança na Constituição que amplia o teto de gastos para, entre outros pontos, assegurar o pagamento de R$ 600 do Auxílio Brasil.

Política
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA