Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Grupo protesta em frente ao TJPA contra mudança no rol de tratamentos dos planos de saúde

Superior Tribunal de Justiça deve decidir se os planos são obrigados a cobrir somente os tratamentos previstos no rol da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)

Fabrício Queiroz

Pais e responsáveis por crianças com deficiência realizaram uma manifestação, na manhã desta quinta-feira (27), em frente ao Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJPA). O grupo protestou contra a proposta de mudança no rol de tratamentos dos planos de saúde defendida pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

VEJA MAIS

Pais de crianças com necessidades especiais fazem protesto contra rol taxativo em Belém
STJ precisa julgar se planos de saúde são obrigados a cobrir somente os tratamentos previstos no rol ou não

Pais e mães defendem que planos de saúde cubram tratamentos para crianças com deficiência
Ato foi realizado em Belém por conta de julgamento sobre rol taxativo da Agência Nacional de Saúde, que quer limitar pagamento de terapias e medicamentos por parte dos planos de saúde

A questão está em julgamento no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que deve decidir se os planos são obrigados a cobrir somente os tratamentos previstos pela ANS, chamado taxativo. Nesse caso, as operadoras poderão negar o pagamento de procedimentos não incluídos na relação, diferente do que ocorre hoje quando há amparo para o rol exemplificativo, que estabelece apenas alguns itens gerais, abrindo margem para cobertura de tratamentos e procedimentos que estão fora do previsto.

“Hoje a nossa luta aqui é contra o rol taxativo que nós estamos chamando de rol da morte. Esse rol pretende acabar com os tratamentos especializados das nossas crianças e dos nossos filhos. Nós estamos lutando por um direito que está na Constituição Federal, que é o direito à saúde. E hoje a nossa briga é por isso, para que os nossos magistrados votem ‘não’, sejam contra o rol da morte”, declarou Laura Lima, presidente do Instituto Humanitário da Amazônia.

Os manifestantes reforçam a importância das regras atuais porque elas garantem por via judicial o acesso dos familiares e responsáveis à prescrição de novos medicamentos, como os produzidos a base de Canabidiol, utilizados por pessoas com transtorno do espectro autista e outras síndromes.

Em artigo, diretora-executiva da Federação Nacional de Saúde Complementar (Fenasaúde), Vera Valente, afirma que: “a sociedade brasileira precisa compreender que um rol meramente exemplificativo, como defendem alguns, colide frontalmente com princípios basilares que regem as relações de consumo num setor regulado, cuja atividade baseia-se em seguro e em cálculo de risco, como são os planos de saúde”. Nesse sentido, a Fenasaúde aponta a necessidade do rol taxativo para a manutenção de operadoras e planos existentes.

De acordo com a entidade, com rol exemplificativo, “as mensalidades vão subir, expulsando usuários. Os efeitos serão imediatos, afetando a vida de milhões de beneficiários. Mas também inviabilizando a sobrevivência de muitas operadoras hoje ativas: 90% delas são de pequeno ou médio porte, com 79% de seus clientes atendidos no interior do país”, diz Vera Valente no artigo.

O julgamento do processo que deve definir essa questão foi suspenso em fevereiro, por pedido de vista do ministro Villas Boas Cueva. Até o momento, apenas dois foram apresentados: o relator Luis Felipe Salomão foi favorável ao rol taxativo e Nancy Andrghi defendeu o rol exemplificativo. Segundo o STJ, ainda não há data para o julgamento ser retomado. O prazo para a vista é de 60 dias, renovável por mais 30.

Palavras-chave

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA