Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Dallagnol, Janot e procurador são condenados pelo TCU a devolver R$ 2,8 milhões; entenda

Decisão apontou irregularidades nos pagamentos das diárias e das passagens durante a operação Lava Jato

O Liberal

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, o ex-procurador Deltan Dallagnol e o procurador João Vicente Romão, foram condenados pela segunda Câmara do Tribunal de Contas da União (TCU) a ressarcir os cofres públicos por dinheiro gasto pela força-tarefa da Lava Jato com diárias e passagens. Os valores gastos indevidamente somam R$ 2,8 milhões. As informações são do G1 Nacional.

Em decisão tomada nesta terça-feira (9), o relatório do ministro Bruno Dantas condenando os três foi aprovado por 4 votos a zero. Outros sete procuradores foram inocentados.

VEJA MAIS

STJ decide que Deltan Dallagnol terá de indenizar Lula por caso do PowerPoint
Ex-procurador cometeu excesso em entrevista coletiva de 2016, segundo ministros

'Bolsonaro errou ao dizer que procuradores escreviam as delações', diz Deltan
Deltan disse que jamais pediu reunião com Bolsonaro

Deltan Dallagnol anuncia saída do Ministério Público
Deltan atuou como chefe da Lava Jato em Curitiba entre 2014 e 2020

Pelas redes sociais, Dallagnol criticou a decisão e afirmou que vai recorrer. “A 2ª Câmara do Tribunal de Contas da União (TCU) entra para a história como o órgão que perseguiu os investigadores do maior esquema de corrupção já descoberto na história do Brasil”, afirmou, pelo Twitter. “Vou recorrer da decisão, que não me torna inelegível porque é recorrível, e reafirmo meu compromisso de lutar pelo Brasil e pelos brasileiros com coragem. A resposta aos ataques que vêm da velha política e seus aliados virá das urnas em outubro”, completou.

Para os ministros da Segunda Câmara, o modelo de força-tarefa adotado pela Lava Jato foi antieconômico, ou seja, causou prejuízo aos cofres públicos ao permitir o pagamento "desproporcional" e "irrestrito" de diárias, passagens e gratificações a procuradores.

Eles entenderam, ainda, que houve ofensas ao princípio da impessoalidade, em razão da ausência de critérios técnicos que justificassem a escolha dos procuradores que integrariam a operação, além de o modelo ser benéfico e rentável aos participantes.

O subprocurador-geral do Ministério Público de Contas, Lucas Furtado, também apontou irregularidades nos pagamentos das diárias e das passagens em razão do dano aos cofres públicos.

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA