Vinte dos 30 corpos carbonizados estão liberados, mas só sete foram resgatados em Altamira

Apenas sete foram liberados por terem sido solicitados pelas famílias

Redação Integrada

Todos os 30 corpos carbonizados na chacina do último 29 de julho, no Centro de Recuperação Regional de Altamira (CRRAlt), já foram identificados por exames de DNA, e desses, 20 estão liberados para os familiares, informou neste início de noite de segunda-feira (13), a Unidade Regional (UR) do Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves” (CPCRC). No entanto, apenas sete foram liberados por terem sido solicitados pelas famílias que precisam comparecer à Unidade Regional e assinar os documentos de liberação.

Os corpos identificados e já liberados, até o início da noite desta terça-feira são os de Amilton Oliveira Câmara, Anderson Nascimento de Souza, Diego Walison de Sousa Reis, Geidson da Silva Monteiro, Itamar Anselmo Pinheiro, José Brandão Barbosa Filho, José Francisco Gomes Filho.

LEIA MAIS:
Massacre em Altamira: veja lista dos 58 mortos em presídio
Apenas dez dos 46 transferidos após massacre de Altamira vão para prisões federais
57 presos são mortos durante confronto entre facções em presídio de Altamira
Conflito entre duas facções motivou massacre em Altamira; entenda
Massacre em presídio de Altamira é o maior do ano em um único presídio no Brasil
Moro e Helder decidem transferir envolvidos em massacre em Altamira para presídios federais
Presídios paraenses estão à mercê de organizações criminosas, admite Susipe
Operação da Susipe quer chegar a 7 mil internos em presídios do Pará

A liberação dos demais corpos se dará no decorrer da semana conforme o comparecimento de seus respectivos familiares, que estão sendo comunicados para se dirigirem à Unidade Regional, de Altamira. A direção da instituição reitera que os parentes devem ter consigo os documentos de identificação originais, procedimento legal e exigido à liberação dos corpos sem qualquer impedimento. Os documentos, em questão, são documento com foto do cadáver e do familiar que vai assinar a liberação, além do comprovante de endereço.

Em 29 de julho deste ano, um briga entre facções dentro do Centro de Recuperação Regional de Altamira matou 58 detentos, no dia seguinte, outros quatro morreram durante a transferência num caminhão-cela de Altamira para Belém, com esse novo episódio, o total de homens mortos na chacina chegou a 62. O Ministério Público do Pará (MP-PA) apura a chacina em Altamira.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!