Sindicalista é assassinado no interior do Pará

Carlos Cabral foi alvejado com 4 tiros, disparados por dois homens que estavam em uma moto.

Redação Integrada

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Rio Maria e um dos diretores da Central de Trabalhadores do Brasil (CTB), Carlos Cabral Pereira, 58 anos, foi assassinado com três tiros, disparados por dois homens que estavam em uma moto, por volta de 16h desta terça-feira (11). 

O crime ocorreu próximo da casa do sindicalista, na avenida Oeste, uma das principais avenidas do bairro Planalto, sede do município de Rio Maria, no sul do Pará. O atirador estava na garupa do veículo. Ainda ontem à noite, a Polícia Civil requisitou e o corpo foi conduzido para Marabá para ser submetido à perícia criminal. Até então, ninguém foi preso.

De acordo com a Polícia Civil, em Belém, policiais civis do Núcleo de Apoio à Investigação de Redenção (NAI), da Delegacia de Conflitos Agrários de Redenção (DECA), da Superintendência Regional do Alto Xingu e da Delegacia de Xinguara foram deslocados ao município para dar suporte às investigações. 

A vítima foi atingida na cabeça por quatro disparos de arma de fogo realizados por dois homens, com capacetes, que chegaram em uma moto, modelo biz, de cor preta. Carlos Cabral Pereira foi socorrido e levado, ainda com vida, em uma ambulância, para o Hospital Municipal de Rio Maria, mas não resistiu aos ferimentos e e morreu após dar entrada na unidade de saúde.

Cabral teve sua vida inteira marcada pela luta em defesa dos trabalhadores rurais. Foi presidente várias vezes do STTR e sofreu várias tentativas de assassinato. Ele era ex-genro do também sindicalista João Canuto, morto na década de 80, num crime característico de conflitos fundiários, que provocou comoção nacional. A família Canuto perdeu outros integrantes em emboscadas, como Paulo, José e Orlando Canuto, e virou um símbolo da luta pela reforma agrária e pela defesa e promoção dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras rurais.

 "Nós vivemos em um estado marcado pela violência, sobretudo, na violência de conflitos agrários aqui no estado do Pará. Infelizmente Rio Maria é marcada como a terra da morte anunciada", comentou Cleber Rezende, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil - CTB Pará. 

Cleber observou ainda que tem esperanças de ver o crime solucionado. "É um momento muito triste, é uma perda. A CTB Pará se coloca à disposição dos trabalhadores rurais em defesa da justiça, da paz e da segurança", destacou ele. A Polícia segue investigando a morte mas até o fechamento desta edição ninguém foi preso.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!