Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Roubos a residências: moradores do centro de Belém relatam medo por invasões

Quem mora na rua Tiradentes tem recorrido a seguranças particulares para evitar os constantes furtos e roubos na casas. Alguns moradores já foram feridos e não sabem mais como conter a onda de prejuízos.

João Paulo Jussara

Moradores da rua Tiradentes e de vias do entorno relatam que, desde setembro do ano passado, estão sofrendo com furtos, roubos e agressões de criminosos que invadem residências no bairro do Reduto. Os casos mais recentes ocorreram na semana passada: uma senhora idosa foi feita refém enquanto a casa dela era roubada, e um outro imóvel, que está desocupado e tinha materiais de construção, foi invadido e criminosos levaram tudo o que conseguiram.

Casa que estava desocupada foi invadida neste domingo (3), e criminosos levaram materiais de construção e quebraram um box de vidro que também tentavam furtar (João Paulo Jussara/ O Liberal)

Na manhã desta segunda-feira (4), marcas das invasões dos criminosos eram visíveis na esquina da rua Tiradentes com a avenida Assis de Vasconcelos. Em frente a uma casa que está desocupada, havia muito vidro espalhado pelo chão. Moradores da vizinhança relataram que a casa foi alvo dos bandidos na tarde de domingo (3). "Um homem entrou, levou vários materiais de construção que havia por lá, como forros de PVC, alumínio e outras coisas, e quando ele tentou jogar um box de vidro temperado lá do segundo andar, quebrou tudo. Aí ele deixou lá e foi embora com o resto das coisas", disse um morador do local.

"Essa rua aqui é muito perigosa. Passa muito carro, mas chega um horário que já fica deserto. Mas não tem hora: a qualquer momento eles sobem, quebram telhas, entram nas residências, e o que tiver dentro eles levam, mesmo que a casa esteja vazia. Aqui isso acontece constantemente. Além disso, eles invadem algumas casas que estão desocupadas e ficam usando drogas, depois levam tudo que eles conseguem achar. Fios, cabos, alumínio, o que tiver eles roubam", contou Ana Freitas, que mora no perímetro entre a avenida Assis de Vasconcelos e a travessa Piedade.

Invasões e furtos começaram de alguns meses para cá, diz morador

Nascido e criado na rua Tiradentes, o aposentado José Francisco Martins, de 87 anos, disse que a onda de invasões e furtos começou de uns meses pra cá. A casa dele já foi invadida e os criminosos levaram vários objetos. "Aqui em casa tem um anexo no fundo. Eles entraram, levaram tudo que tinha na geladeira, levaram um monte de coisa. Depois eles entraram na outra casa mais adiante e roubaram a bicicleta do vizinho. Ele estava, inclusive, querendo pagar segurança particular para fazer ronda por aqui", disse o idoso.

Casas da rua Tiradentes, no perímetro entre avenida Assis de Vasconcelos e travessa Piedade, têm sido alvo constante de invasões e furtos (João Paulo Jussara/ O Liberal)

Em uma outra residência, também na rua Tiradentes, a qual José Francisco Martins toma conta, os criminosos já invadiram tantas vezes, que foi preciso colocar um portão de ferro com cadeado na saída da cozinha para o quintal. "Não tinha porta antes, mas como eles entravam muito a gente teve que botar. Eles pulam pra invadir a casa. Aqui os cabos são todos repuxados, estragaram toda a linha geral, a gente não tem luz. Vamos esperar pra ver se isso acalma pra poder religar de novo e voltar a consertar a casa. Até infiltração dá, porque eles quebram o telhado", reclamou o morador.

A Polícia Civil do Pará informou que os casos são investigados pela Seccional Urbana do Comércio. "Diligências são realizadas para identificar os envolvidos. A PC reforça a importância da formalização da ocorrência nas delegacias ou através do disque-denúncia, 181,  para que os casos sejam devidamente apurados", detalhou, em nota.

Palavras-chave

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA