Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

PF destrói garimpos ilegais em área indígena de Novo Progresso

A ação ocorreu nos dias 8, 9 e 10 deste mês; o foco principal foi a destruição dos garimpos Pista Nova, Coringa, Jurandi e Novo Horizonte, encontrados ao longo do rio Curuá

O Liberal

​A Polícia Federal destruiu seis balsas e seis motores usados no garimpo ilegal na Terra Indígena do Baú, sul do Pará, área do município de Novo Progresso. Foram apreendidos, ainda, ouro e munições. A ação ocorreu nos dias 8, 9 e 10 deste mês. O foco principal foi a destruição dos garimpos Pista Nova, Coringa, Jurandi e Novo Horizonte, encontrados ao longo do rio Curuá. Com a chegada da PF, os garimpeiros fugiram e ninguém foi preso.

O trabalho faz parte da operação “Mercúrio”, dentro da operação “Guardiões do Bioma”, de combate a crimes ambientais na Amazônia, incluindo a extração ilegal de ouro. No primeiro dia da operação, foram apreendidos 12,5 gramas de ouro, de um garimpeiro que foi multado em aproximadamente R$ 1 milhão pelo Ibama. Além disso, foram queimadas três balsas utilizadas no crime. Uma dessas balsas, equipada com televisão e ar-condicionado, foi avaliada em R$ 2 milhões.

No segundo dia, os alvos foram os garimpos Coringa Nova, Coringa Sul, Pista Nova e Novo Horizonte, onde foram apreendidos 30,3 gramas de ouro. Foram inutilizados motores usados na extração de ouro e centenas de litros de combustível.

Legenda ()

No domingo (10), último dia da operação, foram inutilizadas mais três balsas, apreendidos 40g de ouro e 23 de munições. O dono de uma das balsas foi identificado e agora será investigado.

A operação também busca acabar com o conflito entre dois grupos indígenas dos Kayapós presentes na região: uma parcela menor, a favor da presença dos garimpeiros, sobre a qual recaem indícios de recebimento de parte do produto do garimpo ilegal; e um grupo maior, que é contra essa presença.

A extração irregular de ouro pode causar danos graves ao meio ambiente como a poluição dos leitos dos rios e danos irreparáveis à fauna e a flora, além de interferir na preservação e manutenção das tribos indígenas.

A Polícia Federal continua o trabalho de investigação e combate ao desmatamento no interior da Terra Indígena Baú e de responsabilização dos infratores. Homologada em 2008, a TI Baú é habitada por 188 indígenas de dois povos: Pu´rô, que são isolados, e os Kayapós.

A operação Mercúrio ocorreu de forma integrada, com participação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Fundação Nacional do Índio (Funai), Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), do Ministério da Defesa, além de ter apoio da Força Nacional.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA