logo jornal amazonia

Comando Vermelho criou 'central telefônica' para despistar PF e ajudar fugitivos de Mossoró

Os líderes da facção criminosa forneceram apoio logístico, bélico e financeiro, além de baterem o martelo contra quem não estivesse do lado deles

O Liberal

Para dar suporte à fuga de Rogério da Silva Mendonça e Deibson Cabral Nascimento, que escaparam da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, a facção criminosa Comando Vermelho forneceu chips e celulares em uma tentativa de dificultar o rastreamento feito pela Inteligência da Polícia Federal. É o que diz a coluna “Na Mira”, publicada no Metrópoles.

Mesmo com a mini “central telefônica”, a polícia conseguiu identificar esses contatos e estabelecer o perímetro em que a dupla de fugitivos poderia estar. Os agentes enfrentaram a instabilidade das torres telefônicas na região do Agreste do RN, porém, conseguiram recapturar Mendonça e Nascimento. Quando foram abordados pelas polícias Federal (PF) e Rodoviária Federal (PRF), na BR-222, em Marabá, no sudeste do Pará, Rogério e Deibson portavam oito celulares.

Ainda segundo a coluna “Na Mira”, os líderes do CV forneceram apoio logístico, bélico e financeiro. E, inclusive, teriam batido o martelo que “quem está com eles não será abandonado”.

VEJA MAIS 

image Justiça determina prisão preventiva do quarteto preso por ajudar fugitivos de Mossoró em Marabá
Em parecer acolhido pela Subseção de Marabá, o Ministério Público Federal (MPF) argumentou que os quatro homens “foram flagrados dando cobertura” à fuga de Rogério da Silva Mendonça e Deibson Cabral Nascimento, foragidos desde 14 de fevereiro do Presídio de Mossoró e recapturados em Marabá.

image Veja quem são os 4 homens presos em Marabá por 'escoltar' fugitivos de Mossoró presos no Pará
Os quatro homens foram autuados pela Polícia Federal após serem flagrados realizando um comboio que escoltava os suspeitos pela BR-222, em Marabá

image Diretor da Penitenciária Federal de Mossoró é demitido via documento oficial
Humberto Gleydson estava afastado da unidade prisional de segurança máxima desde a fuga dos dois detentos, em 14 de fevereiro

A forte ligação familiar entre Rogério e a avó Tereza Padilha Silva, de 86 anos, ajudou os investigadores a identificar o perímetro onde os criminosos poderiam estar. O fugitivo usava os celulares para entrar em contato com os parentes e saber o estado de saúde da idosa, conforme revelado pela coluna “Na Mira”.

Como foi a fuga de Rogério e Deibson em Mossoró? 

Rogério e Deibson estavam foragidos desde 14 de fevereiro, quando abriram passagem por um buraco atrás de uma luminária do presídio e cortaram duas cercas de arame usando ferramentas de uma obra que ocorria no local para escapar. Foi a primeira fuga na história do sistema penitenciário federal desde a criação, em 2006.

As buscas envolveram helicópteros, drones, cães farejadores e outros equipamentos tecnológicos sofisticados, além de mais de 600 homens, incluindo a Força Nacional e equipes de elite da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal. 

Os fugitivos foram capturados nesta quinta-feira (4), após 50 dias de buscas, enquanto se deslocavam em veículos diferentes na BR-222, em Marabá, no sudeste do Pará. Na ocasião, outras quatro pessoas foram presas suspeitas de auxiliarem a dupla durante a fuga. De acordo com as autoridades, os dois tinham planos de deixar o país. Além da dupla, outros quatro homens de Belém, capital paraense, foram presos em flagrante por estarem ajudando na fuga de Rogério e Deibson. Eles tiveram a prisão em flagrante convertida em preventiva – sem prazo determinado – pela 2ª Vara da Justiça Federal em Marabá, na região sudeste do Pará.

Deibson Cabral e Rogério da Silva tinham ligação com Comando Vermelho (CV) do Acre. A investigação da fuga apontou que os dois usaram uma barra de ferro retirada da estrutura da própria cela para escavar o buraco da luminária pelo qual conseguiram escapar.  

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Polícia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA