Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Cemitério Santa Izabel continua sendo alvo de criminosos

Basta apenas alguns minutos dentro do cemitério para se deparar com mausoléus arrombados, jazigos quebrados e lápides destruídas; além desse cenário, também é possível ver pedras de granito, mármore e outros itens destruídos

O Liberal

​O cemitério Santa Izabel, no bairro do Guamá, em Belém, continua sendo alvo de criminosos. O espaço, que deveria ser sagrado e de descanso àqueles que já se foram, vem sofrendo com novos casos de vandalismo e furto. A reportagem de OLiberal.com conversou com uma mulher que trabalha como autônoma, há mais de 30 anos no cemitério. Ela relatou as dificuldades de continuar atuando no local.

VEJA MAIS

Cemitério Santa Izabel é alvo de vandalismo e furtos
Mausoléus arrombados, jazigos quebrados e lápides destruídas são algumas das denúncias mais frequentes

Cemitério da Soledade recebe obras de recuperação e projeto de valorização do patrimônio histórico
Investimento chega a R$ 16 milhões e tem participação da Prefeitura de Belém, na preservação de uma estrutura que abriga 30 mil pessoas sepultadas

Homem rouba e ateia fogo em caixão em frente a cemitério
Após rondas na cidade, os policiais conseguiram prender o suspeito. O prejuízo estimado foi em torno de R$ 2 mil

Sem se identificar, por temer ameaças, a trabalhadora disse que a atual situação do cemitério Santa Izabel tem afastado os frequentadores

“Estamos perdendo serviço, porque as famílias têm medo de visitar o cemitério. Está tendo muito vandalismo. Muito roubo”, contou a mulher.

Ela acredita que as ações criminosas podem estar sendo cometidas por pessoas em situação de rua que vivem na área. “Eles levam os ferros das sepulturas, cortam os fios das luzes para retirar o cobre e vender. Tudo eles levam e as sucatas aceitam. Sem contar os casos de assalto lá dentro. Nós só podemos trabalhar pela parte da manhã e um pouco da tarde. Isso se tiver algum enterro. Se tiver movimentação. Senão, no final da tarde e à noite, ninguém pode ficar lá. Eles assaltam direto. Não podemos mexer no celular que eles tomam”, denuncia​​ a mulher. 

Basta apenas alguns minutos dentro do cemitério para se deparar com mausoléus arrombados, jazigos quebrados e lápides destruídas. Além desse cenário, também é possível ver pedras de granito, mármore e outros itens destruídos. O local serve, ainda, como moradia para as pessoas em situação de rua, que tomam banho no espaço e improvisam varais de roupas, por exemplo. A realidade do cemitério Santa Izabel já foi denunciada várias vezes pela reportagem de OLiberal.com, porém os casos se repetem.

Procurada, a Guarda Municipal de Belém (GMB) explicou como faz a segurança do espaço. Segundo a GMB, são realizadas rondas diárias, com motos, na parte interna do local, bem como rondas com viaturas na área externa. “A GMB orienta a população a contribuir com o serviço de segurança, denunciando as ocorrências de depredação, roubos e furtos pelo telefone 153. Ao receber a denúncia, feita gratuitamente, uma viatura é encaminhada ao local”, disse o órgão municipal.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA