Carregamento de 700m³ de madeira ilegal é apreendido em embarcação

Marinheiro será investigado após operação da Polícia Civil

Redação Integrada

Uma operação da Polícia Civil, iniciada no último dia 18 e finalizada nesta segunda (02), resultou na instauração de procedimentos judiciais contra o marinheiro fluvial de convés, David dos Santos Pacheco e o encarregado de equipamentos, Rafael Melo Ferreira após a identificação de duas balsas e um empurrador escondidos no braço do rio Pacajá com carregamento de 700m³ de madeira ilegal.

De acordo com a Polícia Civil, os policiais encontraram o material na última sexta-feira (29), às 13h, após se deslocarem em lanchas pelo rio Pacajá a fim de localizar embarcações transportando ilegalmente produtos de origem vegetal. Ao encontrarem a carga em questão, eles apreenderam as balsas "Mand II" e "Iara" e o empurrador "Ferinha". Todo o material foi conduzido para o município de Portel, local em que a madeira foi desembarcada. Diante dos fatos, um boletim de ocorrência (b.o) foi registrado e um procedimento legal instaurado contra os acusados.

A Operação Caxiuanã, que tem como objetivo coibir crimes contra o meio ambiente pelo desmatamento, extração e transporte ilegal de madeira e caça predatória, foi coordenada pela Divisão Especializada em Meio Ambiente (Dema) e realizada pela Delegacia de Repressão a Crimes Contra Fauna e Flora, em ação conjunta com a Polícia Militar, Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp), Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) e servidores do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) da Flona Caxiuanã.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM POLÍCIA