Aves silvestres são apreendidas em apartamento de luxo no Umarizal

Pássaros eram mantidos em cativeiro ilegal. Proprietário do imóvel irá responder na Justiça

Com informações da Polícia Civil

Dez aves da fauna silvestres que em mantidas em um cativeiro ilegal foram apreendidas pela Polícia Civil do Pará nesta quinta-feira (25). Os animais estavam em um apartamento, situado em um prédio de luxo, no bairro do Umarizal, área nobre de Belém. No local, foram resgatados os seguintes pássaros: uma patativa pintada, duas coleirinhas, dois curiós, um bicudo, duas rolinhas, um bigode e um chupim. O dono do apartamento foi detido e vai responder pelo crime ambiental na Justiça. O procedimento foi realizada na Divisão Especializada em Meio-Ambiente (DEMA). A ação policial foi resultado de denúncia recebida pelo Batalhão de Polícia Ambiental da PM (BPA).

Segundo a denúncia, o local onde as aves eram criadas de forma ilegal era no apartamento de propriedade de Alberto Carlos Silva Carneiro, na rua Bernal do Couto, Edifício Village Gold, entre avenidas Visconde de Souza Franco e Almirante Wandenkolk, bairro do Umarizal. Segundo o delegado Waldir Freire, diretor da DEMA, o comandante do BPA recebeu uma denúncia anônima informando sobre a guarda ilegal dos animais. Em seguida, uma viatura do BPA foi até o endereço denunciado.

No prédio, os policiais militares foram atendidos pelo zelador do edifício que permitiu o acesso deles até a entrada do imóvel, onde ficaram no aguardo enquanto o zelador foi até o apartamento para requisitar a autorização para entrada. A equipe policial aguardou por cerca de vinte minutos até que foi solicitado que a viatura desse uma volta ao redor do prédio. Foi nesse momento em que os policiais perceberam que animais silvestres estavam sendo soltos no apartamento. Diante disso, a guarnição policial subiu até o apartamento onde foram atendidos pelo dono do imóvel que permitiu a entrada deles ao local, onde, na sacada, constataram a presença das aves.

A sacada estava toda telada e as aves estavam guardadas em dois alçapões (tipos de gaiolas). Os animais da fauna silvestre foram apreendidos e apresentados na DEMA juntamente com Alberto Carneiro, para lavratura do procedimento de TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) pelo crime ambiental realizado pelo delegado Vicente Costa e escrivã Ana Lúcia na DEMA. Após assinar o documento, o dono do imóvel foi liberado para responder ao processo na Justiça em liberdade. Os animais foram apreendidos e permanecerão à disposição da Justiça, para serem soltos na natureza.

 

Polícia