Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Mulher é condenada a 34 anos de prisão por usar o Twitter; entenda

Salma al-Shehab foi condenada a 34 anos de prisão por ter uma conta no Twitter e compartilhar mensagens contra o governo saudita

Paula Figueiredo

Uma estudante da Universidade de Leeds, na Inglaterra, que decidiu passar as férias na Arábia Saudita, sua cidade natal, foi condenada a 34 anos de prisão por ter uma conta no Twitter e compartilhar mensagens contra o governo saudita.

VEJA MAIS

Mãe vegana é condenada por matar bebê com dieta rigorosa
A autópsia apontou que o bebê, que estava sete quilos abaixo da média considerada saudável para a idade, morreu de desnutrição

Mulher é condenada a pagar R$ 3 milhões à esposa do seu amante
A traída exigiu que a amante devolvesse a ela todos os bens materiais que havia recebido durante o relacionamento com o marido dela

Identificada como Salma al-Shehab, de 34 anos, a mulher, mãe de dois filhos, já havia sido condenada a três anos pelo "crime" de "causar agitação pública e desestabilizar a segurança civil e nacional". Porém, na última segunda-feira (15), um recurso mudou a sentença de Salma, que foi condenada a 34 anos de prisão e 34 anos de proibição de viagens.

Segundo publicou o jornal inglês The Guardian, as novas acusações afirmam que Salma estaria "ajudando aqueles que procuram causar agitação pública e desestabilizar a segurança civil e nacional seguindo suas contas no Twitter e dando retuítes". A estudante não era conhecida como ativista nem na Europa e nem na Arábia Saudita.

Salma e seus dois filhos. (Foto: Reprodução)

No Twitter, Salma tem 2.597 seguidores, enquanto no Instagram possui apenas 159. Ela se descreve nas redes como higienista dental, educadora médica, estudante de doutorado e professora da Universidade Princess Nourah Bint. Na rede de compartilhamento em 280 caracteres, a mulher posta sobre suas situações de estresse, foto com os filhos e retuira posts de dissidentes sauditas que vivem no exílio, além de pedir a libertação de prisioneiros políticos. Ela também aparenta apoiar Loujain al-Hathloul, uma ativista feminista que foi presa anteriormente por apoiar os direitos de direção para mulheres. O Twitter não comentou o caso. 

(Estagiária Paula Figueiredo, sob supervisão de Felipe Saraiva)

Mundo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO