Lei que proíbe retirar garras de gatos é aprovada

Aprovação da lei ainda precisa da assinatura do governador

Redação integrada de O Liberal

Uma lei que proíbe a prática de retirar as garras dos gatos foi aprovada na última terça-feira (4). A aprovação foi feita por parlamentares de Nova York, mas ainda precisa da assinatura do governador, Andrew Cuomo. O estado pode ser o primeiro a impor esta proibição nos Estados Unidos.

No Brasil, o procedimento foi proibido, desde 2008, pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária.

A prática é feita pelos tutores dos felinos para evitar arranhões em móveis. A onicectomia, como o procedimento é chamado, é uma cirurgia na qual o médico veterinário precisa amputar o último osso de cada dedo do felino. Segundo a organização internacional Humane Society, é um processo doloroso que não traz benefícios ao gato. A organização defende a retirada apenas por razões médicas, como a presença de tumores.

Segundo a democrata Linda Rosenthal, autora da lei, a proibição é para os donos de felinos "que pensam que o móvel é mais importante que seus gatos". "É desnecessário, é doloroso e causa problemas aos gatos. É apenas brutal", diz ao jornal The New York Times.

No Brasil, a prática foi proibida, desde 2008, pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária. Nas cidades americanas de Los Angeles e Denver ainda não houve uma decisão estadual. Outros estados, como Califórnia, New Jersey e Massachussetts também consideram a proibição, de acordo com o Humane Society.

Mundo