Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Biden pretende doar 500 milhões de doses para países de baixa renda

Imunizantes serão distribuídas pelo consórcio Covax, iniciativa da Organização Mundial de Saúde (OMS)

Agência Estado

O presidente dos EUA, Joe Biden, prometeu nesta quarta-feira (9) comprar 500 milhões de doses da vacina da Pfizer para doar a 92 países de baixa renda nos próximos dois anos. Segundo a imprensa americana, Biden deve fazer o anúncio em discurso antes do início da cúpula do G-7, no Reino Unido.

Segundo jornais americanos, 200 milhões de doses serão compartilhadas este ano, com o restante a ser doado no primeiro semestre de 2022. As vacinas serão distribuídas pelo consórcio Covax, iniciativa da Organização Mundial de Saúde (OMS), e estão sendo compradas a preço de custo.

Ontem, Biden voou para a Europa para sua primeira viagem ao exterior como presidente. "Tenho um plano e vou anunciá-lo", disse ao embarcar no avião presidencial. Albert Bourla, CEO da Pfizer, deve estar presente durante o anúncio de hoje. A estratégia é uma forma de responder às críticas de que os EUA e a Europa estão se esforçando pouco para reduzir o abismo entre os programas de imunização de nações ricas e pobres.

"Os EUA estão trabalhando com os parceiros do G-7 em um esforço maior para ajudar a acabar com a pandemia, para que as democracias do mundo ajudem as pessoas em todos os lugares. E teremos mais a dizer sobre isso na reunião do G-7", disse Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional de Biden.

A cúpula do G-7 apresenta vários desafios diplomáticos para a Casa Branca, que busca restaurar a presença internacional dos EUA. As infecções vêm aumentando em países em desenvolvimento, o que levou especialistas a denunciar um "apartheid de vacinas" no mundo. Na África, menos de 2% da população recebeu uma dose de vacina, em comparação com mais de 50% no Reino Unido.

Até agora, Biden teve de se equilibrar entre a necessidade de vacinar os americanos e ajudar o restante do mundo, contendo a diplomacia das vacinas de China e Rússia. A decisão dos EUA de apoiar a quebra das patentes de imunizantes criou novas tensões com a União Europeia, que criticou a ideia. Na semana passada, os europeus ofereceram uma contraproposta que preservaria a propriedade intelectual das empresas farmacêuticas, criando novo atrito com os EUA.

Ontem, mais de 200 figuras proeminentes, incluindo ex-chefes de Estado e de governo, pediram que os EUA gastem US$ 44 bilhões (R$ 222 bilhões) para ajudar a vacinar países pobres. "É hora de tomar uma grande decisão", disse Gordon Brown, ex-primeiro-ministro do Reino Unido. "Seria uma falha moral catastrófica e imperdoável se não tivéssemos um plano para vacinar o mundo neste fim de semana."

A Casa Branca já reconheceu que sua resposta atual é insuficiente para acabar com a pandemia. Sullivan e outras autoridades americanas prometem anunciar a doação de mais doses, ajudar a aumentar a capacidade de produção global e tomar outras medidas para liderar a resposta mundial ao coronavírus.

"Os EUA estão entrando no G-7 em uma posição boa", disse Jeff Zients, conselheiro de Biden para assuntos ligados à pandemia. "O presidente usará esse impulso para reunir as democracias do mundo em torno da resolução desta crise global, com os EUA liderando o caminho para criar um arsenal de vacinas que será fundamental na luta global contra a covid", acrescentou.

"Esta é a crise mais severa de nosso tempo", disse John Nkengasong, diretor do Centro Africano de Controle e Prevenção de Doenças. "E a história vai se lembrar de nós se fizermos as coisas certas e rapidamente."

(Com agências internacionais)

Mundo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO