Ao menos 300 pessoas foram detidas em semana de apagão na Venezuela, diz ONG

Algumas regiões ainda permaneciam nesta quinta-feira com interrupções no serviço de energia, água e gás

Reuters

Cerca de 300 pessoas foram detidas em protestos e tumultos na Venezuela desde o início de um blecaute que afetou todo o país na quinta-feira passada, afirmou um grupo de direitos humanos.

A Venezuela, o país com as maiores reservas de petróleo do mundo, sofreu um grande corte de energia no dia 7 de março, deixando quase todo o país às escuras, sem comunicação e sem serviço de água por cinco dias. Algumas regiões ainda permaneciam nesta quinta-feira com interrupções no serviço de energia, água e gás.

O diretor da organização não governamental Fórum Penal, Alfredo Romero, disse em coletiva de imprensa que, desde 8 de março até esta quinta-feira, ao menos 124 pessoas foram detidas no país durante protestos contra o blecaute, enquanto outras 200 foram presas durante saques.

Quatro pessoas morreram durante os protestos, disseram as organizações Observatório Venezuelano de Conflito Social e Provea, em comunicados publicados no Twitter.

O Provea informou que uma das vítimas morreu devido a ação de grupos armados pró-governo.

O Ministério de Comunicação da Venezuela não respondeu de imediato a pedido por comentários.

Devido ao blecaute, o governo suspendeu as aulas em todos os níveis de ensino desde a sexta-feira passada até amanhã. Somente nesta quinta-feira, a jornada de trabalho e o serviço de metrô da capital foram retomados, mas apenas de forma parcial já que algumas estações permanecem fechadas, segundo testemunhas da Reuters.

A falha elétrica provocou, entre os dias 7 e 13 de março, a morte de ao menos 26 pacientes de hospitais públicos que estavam sem eletricidade ou com falhas, segundo a organização Médicos Pela Saúde.

Leia também

Famílias sem comunicação, uma nova consequência do blecaute na Venezuela

Ainda sem energia da Venezuela, Roraima dobra uso de combustível em termelétricas

Associações empresariais afirmaram que, apenas em Maracaibo, capital do Estado petroleiro de Zulia, no noroeste do país, ao menos 350 comércios e fábricas foram saqueados nesta semana, e que maquinários, equipamentos e infraestruturas foram danificados em protestos dos moradores contra a falta de energia.

O governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, atribuiu a falha a uma sabotagem na hidrelétrica Guri, a principal do país, enquanto especialistas garantem que o problema foi desencadeado por uma falha nas linhas de transmissão que partem da unidade por falta de manutenção, peças de reposição e de investimento nos últimos anos.

Mundo