Lucas Figueiredo relembra momentos históricos que o tornaram apaixonado pelo Paysandu

Lucas Figueiredo, 24 anos, estudante

Lucas Figueiredo / Especial para OLiberal

Tudo começou desde pequeno, quando eu tinha entre cinco e seis anos, quando meu pai começou a me levar ao estádio para os jogos do Paysandu, principalmente no Mangueirão, que ficava mais perto da minha casa. Então, ele começou a me levar mais ou menos no período do auge do Papão, nos anos 2000, na época da Copa Norte e Copa dos Campeões.

Foi assim que começou a minha paixão pelo Paysandu, comecei a gostar de futebol a buscar saber mais saber do que se tratava e comecei a pegar gosto pela coisa. Por isso, o meu principal influenciador foi sem dúvidas o meu pai, que sempre me levava quando podia.

Quanto aos jogos marcantes para mim: a partida contra o Palmeiras, na Copa dos Campeões de 2002, que foi um jogão. Eu fui com meu pai e pude prestigiar o que foi um dos jogos mais bacanas que já vi. Outro jogo emocionante, foi contra o Ananindeua, quando o ex-atacante Zé Augusto fez o gol no último minuto, que classificou o Papão, que passou para a Série C daquele ano. Esse foi mesmo um jogo muito marcante, onde eu chorei bastante por causa daquele jogo.

Também, óbvio, não posso esquecer a partida histórica contra o Boca Juniors, na La Bombonera. São momentos como esses que me fazem dizer que o Paysandu é a minha paixão e é o meu clube que amo mesmo. Busco ir aos jogos, faço de tudo para acompanhar, quando dá estou sempre nos estádios apoiando o Paysandu, seja na Curuzu ou no Mangueirão.

Paysandu
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM ESPORTES