Remo ameça adeus ao Paraense de Regata e diretor da federação renuncia ao cargo

Azulinos reclamam do calendário desfavorável ao clube. Presidente remista apoia decisão da diretoria de garage

Braz Chucre

A polêmica entre Remo e Fepar segue firme nos bastidores e o clube azulino condicionou sua participação nas regatas de 2019 à mudança do regulamento do campeonato. Os azulinos pedem também a prestação de contas de gestão, com legalidade perante à Confederação Brasileira de Remo (CBR). Diante da pressão, o diretor da Fepar (Federação Paraense de Remo), Cláudio Figueiredo, renunciou o cargo.

John Vasconcelos, diretor da garage remista, diz que o clube vem sendo prejudicado pela Fepar há tempos. "Só iremos participar do campeonato se a Fepar mostrar regularidade ou legalidade perante a Confederação Brasileira de Remo (CBR). Os balanços de prestação de contas devem ser disponibilizados como está previsto no estatuto da Fepar. No momento a federação está passando um campeonato inválido", aponta Vasconcelos;

O presidente do Clube do Remo, Fábio Bentes, apoiou a posição do seu diretor e foi mais longe ao questionar mudanças no calendário de 2019. "Liberaram entrada de estrangeiros, tiraram provas de juniores para dar aos másteres, tudo direcionado ao nosso rival. Desse jeito, estamos fora do campeonato", revelou.

O Paysandu, pivô do caso, por importar remadores argentinos, rebateu. Segundo Afonso Sarmanho, coordenador da garage bicolor, o Remo está querendo "se passar por vítima" na questão que ele mesmo criou em 2018 quando levou 18 atletas do Papão.

"O Paysandu não chiou em nada. Agora o Remo está reclamando do calendário, pois se sente prejudicado. O Paysandu também está sendo, uma vez que foram tiradas provas de Sêniores e Sub-23 que foram vencidas por nós em 2018. Nós respeitamos a opinião deles, mas o Paysandu vai disputar o campeonato com qualquer calendário", destaca.

Sarmanho confirma que o clube bicolor vai manter a importação dos remadores argentino como foi atribuído pelo regulamento do campeonato. " São três, antes eram cinco. O campeonato de regata vai continuar com três clubes - Paysandu, Associação Guajará e Tuna", pontuou.

Na semana passada, a Fepar divulgou o calendário de provas do campeonato estadual e a primeira regata está marcada para o dia 17 de março. Até a data prevista muitas águas vão rolar por debaixo dos barcos. 

A reportagem procurou o presidente da federação o advogado Luciel Caxiado para ouvi-lo sobre as acusações do Remo, mas ele não foi localizado. 

Mais Esportes