Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Árbitra comenta agressão de técnico que foi demitido pelo clube após cabeçada; vídeo

Marcielly Netto, de 29 anos, foi agredida pelo treinador no último domingo (10), em partida do Campeonato Capixaba

Aila Beatriz Inete

A árbitra assistente Marcielly Netto foi agredida pelo agora ex-técnico da Desportiva-ES, Rafael Soriano, no último domingo (10), no intervalo da partida contra o Nova Venécia-ES, no Campeonato Capixaba. A bandeirinha foi vítima de uma cabeçada do treinador, que entrou em campo insatisfeito com o árbitro Arthur Gomes. 

VEJA MAIS

Re-Pa: árbitro cita agressões, explica expulsões e arremessos de copos ao gramado da Curuzu
Árbitro Rafael Claus registrou algumas situações, mas deixou de citar arremessos de chinelos e sapatos

Futebol: Jogador e árbitra assumem namoro após ele ser expulso por ela em uma partida
O casal viralizou nas redes socais

O treinador foi reclamar com o árbitro após ele encerrar o primeiro tempo antes do Desportiva cobrar um escanteio. Soriano formou uma confusão e foi nesse momento que o técnico deu uma cabeçada na bandeirinha. 

No exato momento, o técnico foi expulso da partida por agressão e após o jogo foi demitido pelo clube. Em entrevista à TV Cultura, Rafael Soriano disse que não agrediu a bandeirinha. 

"Se você disser que eu te agredi, nós vamos para a delegacia. Vamos fazer Corpo de Delito, senão eu vou te processar. Ela foi empurrar os jogadores e agora quer dizer que foi agredida. Ela tá querendo aproveitar de uma situação porque é mulher. Não encostei nela, se encostei ela vai provar na delegacia", declarou o treinador.

Em conversa com o site Universa, do UOL, a Marcielly Netto afirmou que tudo está gravado e que está com a "consciência tranquila". Além disso, a bandeirinha também revelou que registrou um boletim de ocorrência e que ficou muito assustada com a agressão.  

"Praticamente em todo jogo falam coisas baixas pelo fato de ser mulher, tenho até vergonha de repetir. Além do assédio, de torcida a jogador. Mas esse tipo de agressão foi a primeira vez, e foi a que mais me assustou", relatou. 

Apesar disso, a bandeirinha contou que nunca pensou em deixar de ser árbitra e que revelou que tem o apoio da família. 

“E é isso que me motiva ainda mais, porque aí vejo que posso fazer tudo, e tenho muita coisa ainda pela frente. Vou continuar com os mesmos objetivos", finalizou a árbitra. 

(Aila Beatriz Inete, estagiária, sob supervisão de Pedro Cruz, coordenador do Núcleo de Esportes)

Futebol
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM FUTEBOL

MAIS LIDAS EM ESPORTES