Vendas nos shoppings da região Norte registram alta de 3,3% em outubro

Em Belém, lojistas e shoppings confirmam o crescimento e acreditam em um outubro e novembro ainda mais positivos

O Liberal
fonte

As vendas nos shoppings registraram uma alta de 6,2% no último mês de outubro, quando comparadas ao mesmo período do ano passado, segundo dados do Monitoramento de Mercado Abrasce - Índice Cielo de Varejo em Shopping Centers (ICVS-Abrasce). O levantamento aponta que os shoppings da região Norte apresentaram alta de 3,3% nesse período, abaixo da média nacional no mês, mas ainda assim um dado positivo. 

Na ponta, entre os shoppings centers localizados em Belém, já há sim uma percepção de aumento nas vendas também, desde o mês de outubro, com tendência de crescimento ainda maior em novembro e dezembro. 

Presidente da associação de lojistas de um shopping localizado na travessa Padre Eutíquio, Labibe Pedrosa diz que os lojistas naturalmente perceberam a alta nas vendas em outubro e, ao mesmo tempo, que em novembro também houve um incremento, que está se consolidando ainda mais em dezembro, “apesar” dos jogos da seleção brasileira na Copa do Catar. “Muitas pessoas estão vindo ao shopping, por exemplo, antes dos jogos, estão antecipando as compras. Outras deixam pra vir logo em seguida, quando acaba o jogo. Então, a gente percebe que as pessoas já estão fazendo as compras de Natal e a gente percebe também que o fluxo de pessoas nesse período aumentou em relação ao ano passado”, pontua, acrescentando que a expectativa é muito boa para o mês de dezembro.

VEJA MAIS

image Cesta básica paraense volta a subir e acumula alta de 12% no ano
Preços dos alimentos foram reajustados acima do índice de inflação, aponta Dieese

A gerente de um magazine localizado nesse mesmo shopping, Fabiana Santos, relata que o movimento dos consumidores de fato melhorou na loja a partir do mês do outubro, atingindo grande intensidade nesse início de dezembro e pequenos decréscimos durante os períodos de jogos do Brasil na Copa. “Comparando ao ano passado, a gente está tendo um crescimento de 27% nas vendas nesta primeira semana de dezembro. Contudo, o que está saindo muito são os produtos mais básicos, mais acessíveis. Acredito que o gasto médio do consumidor está um pouco menor do que o praticado no ano passado. As pessoas, em geral, estão procurando coisas mais baratinhas”, avalia. 

Já o diretor de marketing de um shopping localizado na avenida Centenário, João Vyctor Fonseca, confirma que a tendência positiva também se consolidou por lá no último mês de outubro, com o registro de crescimento de 10% nas vendas em comparação ao mesmo mês do ano de 2021. Segundo ele, a expectativa é muito positiva para o mês de dezembro. “O período do Natal é o mais esperado pelos lojistas e nesta época a movimentação e as compras deverão se intensificar, garantindo bons resultados para o varejo”, destaca. 

Um pouco diferente é a opinião do presidente da associação de lojistas de um shopping localizado na avenida Doca de Souza Franco, Thiago Guimarães, frisa que pelo menos por lá esse incremento nas vendas ainda não está sendo observado, mas o otimismo cresce em torno do mês de dezembro. “Essa alta ainda não corresponde a nossa realidade. Em outubro de 2022 quase todas as operações registraram queda em relação a outubro de 2021. Mesmo assim, a gente segue otimista, apesar de alguns desafios, como é a Copa do Mundo, em que, até agora, a gente praticamente perde 50% da nossa força de venda. Só que, naturalmente, como se trata de um mês importante de vendas para o varejo, mantemos o otimismo”, admite.

Palavras-chave

Economia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA