Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Cartão de crédito: Saiba a diferença entre pagamento mínimo e parcelamento de fatura

Especialistas recomendam que clientes fujam da modalidade e se organizem financeiramente

O Liberal

O número de brasileiros endividados bateu recorde em 2022, chegando a 77,3% no mês de junho, segundo a Confederação Nacional do Comércio. O índice é maior do que o registrado no mesmo mês do ano anterior, de 69,7%. De acordo com a entidade, a retomada do consumo explica o maior uso do cartão de crédito, que, somado com inflação alta, juros crescentes e fragilidade no mercado de trabalho, aumenta o número de dívidas.

VEJA MAIS

Compras parceladas no crédito podem driblar alta da inflação; entenda
Ao comprar um item mais caro e parcelar por um ano, o consumidor pode sair no lucro, porque paga um produto durante meses com o preço de um ano atrás. Especialistas pedem cuidado.

Golpe do cartão de crédito por aproximação: saiba como se proteger e o que fazer caso seja vítima
Os criminosos se aproveitam de lugares lotados para roubar valores de cartões de crédito que funcionam por aproximação; instituições financeiras normalmente ressarcem a vítima

Vinte e nove por cento dos brasileiros tem cinco ou mais cartões de crédito
Paraense usa cartão de crédito, muitas vezes, para compartilhar com amigos e familiares

Outro fato que contribui para o resultado é que, quem usa cartão de crédito, pode parcelar a fatura ou efetuar um pagamento mínimo. A prática, entretanto, é desaconselhada por economistas, pois os juros podem criar um efeito "bola de neve".

O que é pagamento mínimo?

Na prática, o cliente que opta pelo pagamento mínimo não é negativado nem considerado inadimplente, porém, entra na modalidade de crédito rotativo, uma espécie de empréstimo que será cobrado na fatura seguinte com multas de atraso e juros sobre a quantia não paga. Os juros de crédito rotativo no Brasil podem chegar a 22%.

O que é parcelamento de fatura?

Já o parcelamento traz juros fixos e bem menores do que o do crédito rotativo, além de um prazo maior de pagamento. Neste caso, a fatura não quitada é parcelada para faturas posteriores e o limite do cartão fica bloqueado e é liberado conforme os pagamentos. Ao escolher essa modalidade, porém, qualquer atraso pode cancelar o acordo com o banco, o que pode negativar o nome do cliente e ainda cancelar os serviços do cartão.

Quando usar o cartão de crédito?

A economista paraense Izabel Ferreira conta que a modalidade deve ser usada apenas como último recurso.

"Temos que ter uma relação saudável entre gastos e ganhos. Se você ganha R$ 2 mil, não pode gastar R$ 3 mil no cartão de crédito. Tem que gastar no máximo mil [reais], quando muito. Os juros podem passar de 10% e ficar acumulando essa dívida é o pior dos cenários", alerta.

Cartão de crédito pode ser armadilha; saiba como evitar dívidas
No território paraense, segundo a Fecomércio, o cartão de crédito representa o maior percentual de dívidas

Entenda o que são e como acumular milhas para ter descontos em passagens
Como uma "moeda de troca", as milhas podem ser conseguidas por meio de viagens, nos programas de fidelidade, ou pelo acúmulo de pontos no cartão de crédito

Cartão de crédito é o principal vilão das famílias endividadas; entenda
O cartão de crédito responde por 87% dos motivos de endividamento no país. A parcela de famílias com dívidas, em atraso ou não, no país atingiu 77,5% em março deste ano

Mas, se mesmo assim a pessoa precisar estourar o orçamento pessoal em algum mês, é importante que ela esteja atenta a algumas regras: desde julho de 2018, as operadoras de crédito podem definir de quanto é o pagamento mínimo permitido e estipular esses valores de acordo com o perfil do cliente.

"Não existe uma regra, pois cada caso é um caso e cada banco é um banco. Então o ideal é ter bem claro quanto ganha e quanto pode gastar. Outra dica é não ficar saindo com cartão de crédito na bolsa se já não tiver uma aquisição planejada. Isso gera impulsos desnecessários", recomenda.

Dica de consumidor

Cláudia Moreira é autônoma e conta que já passou por essa situação mais de uma vez. Ela lembra que atualmente não se pode fazer mais de dois pagamentos mínimos ou parcelamento seguidos, medida que ela considera positiva.

Entenda o limite de acréscimo no preço em compras com cartões de crédito e de débito
Lei promulgada em 2017 estabelece que cobrar a mais dependendo da modalidade do pagamento não é ilegal

Saiba como ter um cartão de crédito sem anuidade para sempre
O benefício pode ser adquirido durante todo o mês de fevereiro

Senado aprova texto de projeto do teto a juros de cartão de crédito e cheque especial
Senadores ainda devem analisar emendas a serem votadas separadamente que podem alterar o texto principal

"Digo porque já tentei em 2020 quando tudo se complicou por causa da pandemia e não permitiram. Mas acho isso bom porque evita a pessoa de se afogar em dívidas e força ela a negociar ou tentar ir num feirão desses que dão descontos. E também ajuda a botar a cabeça no lugar. Minha dica, que eu sigo, é se planejar para comprar o que precisa no débito. Cartão de crédito só em último caso para algo muito caro", diz.

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA