IPCA-15: após duas deflações seguidas, indicador fica em 0,16% em outubro, aponta IBGE

Indicador considerado prévia da inflação oficial teve alta puxada pelo aumento nos preços das passagens aéreas e no reajuste de planos de saúde

Luciana Carvalho
fonte

De acordo com dados divulgado nesta terça-feira (25) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),  o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) ficou em 0,16% em outubro. As informações são do G1.

A alta do indicador, puxada pelo aumento nas tarifas de passagens aéreas e pelo reajuste nos preços dos planos de saúde, veio após dois meses seguidos de deflação. Pressionado pela queda nos preços dos combustíveis, o índice de agosto ficou em -0,73%, e o de setembro, em -0,37%. Segundo o IBGE, a redução nos preços dos combustíveis continuou impactando o IPCA-15 em outubro, mas em menor intensidade.

VEJA MAIS

image Brasil tem deflação pelo 3ª mês seguido em setembro com queda de 0,29%, aponta IBGE
Preço dos combustíveis é novamente responsável pela queda na inflação

[[(standard.Article) Índice Geral de Preços–10 tem deflação de 1,04%, aponta FGV]]

image Inflação no Reino Unido atinge 10,1% em setembro, o maior patamar em 40 anos
Esse é o maior índice desde a década de 1980, quando houve a pior recessão do país

Com o resultado de outubro, o indicador acumula alta de 4,80% no ano e de 6,85% nos últimos 12 meses, ainda acima do teto da meta estabelecida pelo governo para este ano.

O resultado veio acima do esperado. A mediana das projeções colhidas pelo Valor Data com 32 instituições financeiras e consultorias apontava para uma alta de 0,09%.

Alta na maioria dos grupos pesquisados

Somente três dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE para compor o indicador tiveram deflação em outubro:  transportes, comunicação e artigos de residência. Dentre os seis grupos com alta, o que mais impactou o índice foi o de saúde e cuidados pessoais.

Veja a prévia da inflação de outubro para cada um dos grupos pesquisados:

  • Artigos de residência: -0,35%
  • Comunicação: -0,42%
  • Transportes: -0,64%
  • Educação: 0,19%
  • Alimentação e bebidas: 0,21%
  • Habitação: 0,28%
  • Despesas pessoais: 0,57%
  • Saúde e cuidados pessoais: 0,80%
  • Vestuário: 1,43%

(Luciana Carvalho, estagiária da Redação sob supervisão de Keila Ferreira, Coordenadora do Núcleo de Política).

Economia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA