IBGE: Inflação tem alta de 0,10% na Região Metropolitana de Belém em novembro

Vestuário (1,14%), Alimentação e Bebidas (0,70%) e Transportes (0,30%) tiveram os maiores reajustes

O Liberal
fonte

A inflação no mês de novembro na Região metropolitana de Belém acumulou alta de 0,10%, atingindo 0,41 ponto percentual a menos que em outubro. É o que aponta a pesquisa de Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgada nesta sexta-feira (9), pelo IBGE.

Os grupos que tiveram mais alta em novembro foram Vestuário (1,14%), Alimentação e Bebidas (0,70%), Transportes (0,30%), Comunicação (0,18%), Educação (0,18%) e Habitação (0,03%). Já os que registraram queda de preços foram Despesas Pessoais (-0,23%), Saúde e Cuidados Pessoais (-1,24%) e Artigos de Residência (-1,59%).

VEJA MAIS

image Indústria tem taxa de 5,2% em outubro no Pará, aponta IBGE
Outubro desse ano foi o quarto mês com a maior variação em 12 meses

image Índice da construção civil fica em 0,69% em novembro no Pará
Acumulado nos últimos doze meses no país foi para 11,38%

image PIB: IBGE revisa dados e aponta crescimento maior da economia brasileira em 2021
Instituto cresceu 5%, e não 4,6%, como inicialmente divulgado.

Ainda de acordo com o IBGE, no acumulado do ano, IPCA teve alta de 4,46%, enquanto no acumulado dos últimos 12 meses atingiu a taxa de 5,46% na região de Belém.

Em todo o Brasil, o IPCA de novembro teve alta de 0,41%, 0,18 ponto percentual abaixo do resultado de outubro (0,59%). No ano, o IPCA acumula alta de 5,13% no país e, nos últimos 12 meses, de 5,90%, abaixo dos 6,47% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em novembro de 2021, a taxa havia sido de 0,95%.

Economia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA