Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Governo Federal entrega cerca de 18 mil Contratos de Concessão de Uso para famílias do Marajó

Com o documento, beneficiário da reforma agrária consegue financiamento junto ao Incra e pode participar de programas de incentivo à agricultura familiar

O Liberal

O Governo Federal já entregou cerca de 18 mil Contratos de Concessão de Uso (CCUs) para agroextrativistas e agricultores familiares do Arquipélago do Marajó, no Pará (PA), desde que a ação começou, em 2021. Concedido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), o documento transfere o lote rural provisoriamente à família beneficiária da reforma agrária. Com isso, além da garantia de acesso à terra, elas conseguem financiamentos junto ao Incra e podem participar de programas governamentais de incentivo à agricultura familiar.

VEJA MAIS

Projeto levará saneamento básico para 460 escolas do Marajó e beneficiará 12,6 mil alunos
Edital aberto pelo BNDES é uma iniciativa adicional ao Programa Abrace o Marajó. O investimento previsto é de R$ 48 milhões

Ministros Fábio Faria e Damares Alves participam em Belém de ação do Programa Abrace o Marajó
A agenda no Pará inclui entrega de 304 computadores para escolas públicas dos municípios marajoaras e de 2 mil contratos de concessão de uso para agricultores familiares

As terras correspondem a cinco áreas da união – cerca de 469 milhões m² - que anteriormente eram administradas pela Secretaria de Patrimônio da União (SPU), do Ministério da Economia e tiveram sua gestão repassadas ao Incra para execução da reforma agrária. A iniciativa integra o Programa Abrace o Marajó, coordenado pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) e significa, na prática, dar o acesso da terra aos assentados. “Esse é o governo que cuida de vidas e de todas as vidas. É assim que fazemos desenvolvimento regional e vamos prosseguir investindo no Marajó. As famílias merecem uma terra para chamar de sua, para trabalhar, produzir e crescer”, declarou a titular do MMFDH, Cristiane Britto.

Ao assinar o documento, o assentado se compromete a residir no lote e a explorá-lo economicamente de forma sustentável. A titulação definitiva só acontece após o Incra verificar que as famílias cumpriram as cláusulas previstas no contrato. “Nosso papel primordial é ajudar as pessoas. Com o documento na mão, as pessoas vão poder investir, buscar recursos, produzir e, assim, sustentar sua família”, afirmou o superintendente do Incra em Belém, Neil Duarte de Souza. Segundo ele, também foram disponibilizados, somente em 2021, cerca de R$ 15 milhões para incentivar os trabalhadores rurais na produção.

Mais 25 mil CCUs

A expectativa é de que, até dezembro de 2022, mais de 25 mil CCUs sejam entregues somente na ilha do Marajó, beneficiando 25.117 famílias nos municípios de Breves, Curralinho, Afuá, Muaná, São Sebastião da Boa Vista, Bagre, Chaves, Gurupá, Melgaço, Ponta de Pedras, Anajás, Cachoeira do Ararí e Portel.

A jovem Tatiana Santos, de 27 anos, e sua família de mais quatro pessoas, moradores da Vila de Jupatituba, uma ilha no interior da cidade de Breves (PA), receberam o CCU no início deste ano. Para ela, o documento é mais que um papel. “Aqui somos todos ribeirinhos e esse documento é uma porta se abrindo. Antes a gente estava na terra, mas sabia que não era nossa. Foi uma espera de anos que finalmente chegou e a gente pode dizer que está pisando em algo da gente”, revelou.

Tatiana contou ainda que a família é produtora de açaí e, por meio da documentação, puderam produzir melhor. “O CCU nos dá acesso a crédito e aumenta nossas oportunidades em dias bons. No início da produção, chegamos a vender 20 latas de açaí por dia e cada lata custa R$ 20”, explicou.

Com 16 municípios, o arquipélago do Marajó, no Pará (PA), possui cerca de 550 mil habitantes. Formado por cerca de 2.500 ilhas e ilhotas, a área tem potencial de desenvolvimento e crescimento, mas, atualmente, conta com oito municípios na lista daqueles com pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil.

Investimentos

De acordo com o Governo Federal, por meio do Programa Abrace o Marajó, criado por decreto presidencial em 3 de março de 2020, já investiu no Arquipélago R$ 950 milhões. Ainda estão previstos mais R$ 723 milhões até 2023.

Veja algumas ações executadas diretamente pelo MMFDH

  • Capacitação de cerca de 500 jovens com idade entre 18 e 29 anos para o empreendedorismo com treinamento, mentoria, oficinas e palestras em intercâmbios remotos. Ação realizada por meio do Programa Horizontes, coordenado pela Secretaria Nacional da Juventude. 
  • A Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, do MMFDH, concluiu o “diagnóstico da situação atual de vulnerabilidade de crianças e adolescentes dos 16 municípios marajoaras". 
  • Produção de documentos técnicos contendo diagnóstico do arranjo institucional do Sistema de Garantia de Direitos (SGD) e levantamento das boas práticas que serão divulgados ainda em 2022.
  • Cinco incursões itinerantes da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos chegaram à região em 2021. As idas a campo são feitas em parceria com a Caixa Econômica Federal, que disponibiliza sala no seu barco e a infraestrutura embarcada para viabilizar a atividade do MMFDH.
  • Foram entregues, em parceria com o Ministério da Cidadania (MC), mais de 143,5 mil cestas básicas e 9 mil kits de higiene pessoal aos moradores da região. A ação teve o investimento de R$ 14 milhões.

Ações parceiras

  • Por meio da ação denominada Computadores para Inclusão, o Ministério das Comunicações (MCom) anunciou, em março deste ano, a doação de 304 computadores para escolas da rede pública nos 16 municípios do Marajó e a instalação de 68 pontos de internet nas unidades de ensino indicadas pelas prefeituras. O objetivo é alcançar o total de 40 mil computadores doados até o final do ano que vem. 
  • O Ministério de Minas e Energia (MME), por meio dos programas Mais Luz para Amazônia e Luz para Todos, vai possibilitar, até dezembro de 2022, o acesso à energia elétrica para 15,6 mil famílias da região. Serão atendidos os municípios de Bagre, Breves, Curralinho, Melgaço e Portel.
  • Oito municípios do Arquipélago receberam atendimentos por telemedicina por meio do Ministério da Saúde em parceria com o Hospital Albert Einstein, com envio de equipamentos de telesserviços para os municípios de Anajás, Bagre, Breves, Chaves, Curralinho, Gurupá, Portel e São Sebastião da Boa Vista.
  • Foram autorizadas 87 novas vagas do Programa Mais Médicos para o Marajó.
  • O Ministério da Educação (ME) deu apoio à universalização do acesso à internet de alta velocidade na educação básica, sendo até o momento realizado o pagamento a 276 escolas dos 16 municípios do Marajó que apresentaram Plano de Ação, totalizando um investimento de R$ 833,1 mil. Para o ano de 2022, a previsão é de que mais 790 instituições possam ser atendidas.

FONTE: GOVERNO FEDERAL

Palavras-chave

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA