Fundos de investimentos devem crescer no Pará

Norte detém apenas 0,5% da fatia nacional das reservas de mercado

Redação Integrada

O investimento em ações entre os nortistas deve crescer em ritmo acelerado nos próximos anos, caso seja aprovada a Reforma da Previdência, que está em fase de avaliação pela Comissão de Constituição de Justiça (CCJ), na Câmara dos Deputados. Pelo menos é o que apontam os especialistas, considerando que os investidores do norte brasileiro detém apenas a 0,5% da reserva de mercado nacional, que totaliza R$ 800 milhões. Eles destacam que a linha da previdência é a mais procurada na região, com 54% dos produtos adquiridos pelos investidores.  

 

Conforme explica o gerente regional Norte da Icatu Vanguarda, César Silva, o mercado do Norte ainda é muito insipiente, mas com grande potencial. "É considerado um mar azul para se atuar, com vastas possibilidades", afirma. Ele reforça que é importante conhecer a empresa e os profissionais onde o investidor vai depositar seus recursos e apostar no investimento de longo prazo. "Também é importante conhecer os ativos que se pretende escolher, considerando o perfil do investidor", destaca.

 

Ele aponta entre as possibilidades, de acordo com o perfil do cliente, as seguintes rendas: fixa, variável ou multimercado. "Investir não significa que se precisa deter um volume vultuoso para apostar nestes tipos de ativos. Hoje, para quem quer planejar o futuro, se começa com valores a partir de R$ 300,00 em uma boa composição de fundos. E se quer fazer isso junto com um aporte inicial, existem valores a partir de R$ 1.000, com contribuição de R$ 300", explica. 

 

Ainda segundo César, nos últimos anos houve uma democratização para quem deseja participar deste mercado, considerado por ele mais livre. "É preciso  e fazer com que todos se sintam inclusos para guardar dinheiro, fazer planejamento, e também na questão dos tributos. Este é um mercado bilionário, com reservas nacionais de R$ 800 milhões, boa parte concentrada nos grandes bancos. E estes começam a perder uma considerável parcela de suas reservas por conta das taxas de administração e cobram muito carregamento", conclui. 

Economia