Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Exportações do Pará já caíram 28,7% em 2022

Covid-19 e crise imobiliária na China afetaram venda de minério de ferro

O Liberal

As exportações do Pará registram uma variação negativa de 28,7% entre janeiro e agosto de 2022 na comparação com o mesmo período de 2021. Já as importações tiveram variação positiva 90,7% no período.

Enquanto o Pará gastou U$1,7 bilhão com importações, o estado arrecadou R$14,8 bilhões com as exportações. Segundo Cassandra Lobato, do Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Pará, a baixa demanda da China por minério de ferro é a principal responsável pela queda nas exportações, já que o produto é o principal produzido no Pará quando o assunto é comércio exterior.

"Ainda é o grande segmento pujante. Quando a mineração sente essa queda, todo mundo sente também. Principalmente o minério de ferro. A região Norte fechou as exportações também com índice negativo, 18% menor. Ou seja, a força do comércio exterior paraense pesa na balança de toda a região", avalia. 

No período, o Pará apresentou o 3º saldo no Brasil, atrás somente do Mato Grosso e de Minas Gerais.

VEJA MAIS

Exportações paraenses caem 6% em 2021
Queda foi atribuída, principalmente, à falta de ritmo nas emissões da documentação das operações. Com alta no mesmo período, Mato Grosso se aproximou do Pará como principal exportador de madeira nativa da Amazônia

Superávit paraense supera US$ 11 bilhões em 2022
Exportações recuam 25%, mas Pará mantém desempenho positivo na balança comercial brasileira

Medidas restritivas recentes de combate a novos focos de covid-19 na China acenderam o alerta no mundo todo, já que elas criaram barreiras para o comércio internacional.

Além disso, o mercado imobiliário do país asiático vive uma estagnação. Apesar do governo afirmar que a situação é pontual e controlada, o boicote a hipotecas ultrapassa US$145 bilhões, segundo a consultoria S&P Global, e diminuiu o volume de investimentos de construtoras e empresas relacionadas ao setor da construção civil.

Tudo isso unido ao último trimestre, quando o Produto Interno Bruto do país cresceu apenas 0,4%, tem impacto direto na economia paraense. Isso é porque só em 2022 o país respondeu pela compra de 49% das exportações do Pará, quase U$7,4 bilhões.

Lobato lembra que se trata de uma questão exógena e não por conta de problemas interiores que prejudicam o fornecimento. Assim que a demanda ganhar fôlego na China, o montante arrecadado pelas exportações paraenses deve crescer.

"O minério de ferro do Pará é importante para os chineses e eles sabem disso. Mas o número de produtos cresceu. No mesmo período de 2021 eram 994 produtos e em 2022 já estamos em 1098", diz. 

Outros dados positivos também merecem destaque, na opinião de Lobato: a madeira teve variação positiva de 92%, com os Estados Unidos liderando as compras, enquanto a carne bovina apresentou um resultado 29% maior que o mesmo período do ano passado. 

"Temos algo que é imprevisível, que é a eleição. Todo processo de eleição deixa a percepção do mundo sobre um país instável. Tivemos também a guerra na Ucrânia. Isso pode afetar a geração de novos empregos, claro, mas até agora está estável. Se não houver outro foco de covid-19, podemos ter uma boa melhora até final do ano. Talvez não seja o mesmo desempenho do ano passado, principalmente na mineração. 2022 não foi um ano com desempenho bom como 2021", afirma.

No total, o minério de ferro respondeu por 60% das exportações do Pará em 2022, seguido pela soja (8,3%), alumina (7,8%) e minério de cobre (7,2%). Na pauta de importações, a liderança fica para os adubos e fertilizantes (24%), seguidos pelos óleos combustíveis de petróleo (20%) e elementos químicos inorgânicos (13%). 

Palavras-chave

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA