Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Anvisa proíbe venda de macarrão com substância de matou animais de estimação

Apenas produtos fabricados entre julho e agosto podem estar contaminados

O Liberal

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a comercialização, distribuição e uso de produtos da empresa Keishi fabricados entre 25 de julho e 24 de agosto deste ano. A determinação foi publicada nesta quinta-feira, 22. A Agência determinou também o recolhimento desses produtos. A ação faz parte de uma investigação iniciada pela Anvisa após o surgimento de casos de animais de estimação que morreram intoxicados com propilenoglicol contaminado por etilenoglicol, substâncias que foram encontradas nas massas da Keishi, fornecidas pela empresa Tecno Clean Industrial Ltda. As informações são da Agência Estado.

"A Anvisa realizou inspeção na BBBR Indústria e Comércio de Macarrão Ltda. e verificou que essa empresa adquiriu e usou o insumo contaminado como ingrediente na linha de produção de suas massas", diz a nota publicada pela agência, sobre a presença do composto químico nos produtos.

Investigações estão em andamento

Informações sobre as empresas envolvidas no ocorrido continuam sendo atualizadas diariamente, segundo o documento. A ideia é facilitar a investigação em andamento, que é conduzida pela Anvisa, Ministério da Agricultura e por agências de vigilância sanitária locais.

Um recolhimento formal dos produtos ainda não foi solicitado pela Anvisa, mas afirmou que tanto a Keishi quanto a Tecno Clean estão sendo "rigorosamente acompanhadas" e que confiscará os produtos após a investigação, se julgar necessário.

A Keishi não se manifestou quanto aos acontecimentos até o momento.

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA