Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Saulo Sisnando lança o romance gay 'Terra das Paixões'

O dramaturgo, ator e escritor paraense mergulha nos romances de banca de revista para atingir um público diferenciado.

Enize Vidigal

Inspirado nos romances de banca de revista - Júlia, Bianca e Sabrina - que fizeram a cabeça do público feminino por gerações, o dramaturgo, ator, diretor e escritor Saulo Sisnando lança “Terra das Paixões”, que adapta o estilo de tórridas paixões aos leitores LGBTQIA+. A obra de protagonismo gay celebra o mês do orgulho LGBTQI+, que tem no 28 de junho o Dia Internacional dessa comemoração. O lançamento também é marcado pelo Dia dos Namorados, em 12 de junho, pela Editora Teatro de Apartamento.

 “Terra de Paixões” narra a história dos personagens Bernardo e Enrico, dois rapazes de realidades completamente distintas que se encontram numa fazenda histórica após um acidente de carro. Bernardo é um cowboy aprisionado a uma promessa de adolescência, enquanto Enrico é um rapaz da cidade, vencedor de um reality show com projeção no mercado da moda.

“Todos merecem uma história de amor. Bernardo e Enrico são dois homens comuns com vidas completamente distintas, vivendo uma avassaladora paixão,” descreve Saulo Sisnando.

O autor se debruçou sobre obras românticas em um processo de pesquisa que antecedeu a criação do seu próprio livro. “Como se voltasse à adolescência, eu reli muitos livros de banca, sobretudo a coleção de Barbara Cartland. Também pesquisei outras grandes autoras do gênero, como Diana Palmer, Nora Roberts e Janet Dailey. Mas tive o cuidado de trazer todo esse ambiente romântico para o Brasil, afinal, o livro se passa em uma fazenda história no interior de Minas Gerais”, descreve.

O livro foi escrito ao longo de seis meses durante a pandemia pela Covid-19. “Pesquisei sobre a criação de gado e sobre as cavalgadas, que são grandes eventos que reúnem milhares de cavaleiros e amazonas no interior do país (...) Me inspirei também nas novelas dos anos 70 e 80 cheias de mocinhas e bandidos pérfidos, mas com final feliz”, acrescenta.

 “Terra de Paixões” é o terceiro livro do autor, mas o primeiro de protagonismo gay. “Já lancei dois outros romances. Porém, sinceramente, sinto como se fosse meu primeiro livro. Como se finalmente tivesse encontrado minha voz na literatura”, afirma. Em 2006, ele publicou “Puzzle - tenha fôlego para chegar ao fim”, obra juvenil, pela Editora Novo século; e em 2015, “A Solteirona”, inspirado na webserie paraense, pela Editora Giostri, em São Paulo.

“Esse novo livro dialoga com assuntos muito caros para mim, o amor entre pessoas do mesmo sexo e os romances açucarados vendidos em bancas de revista. Eu sempre achei que a comunidade LGBTQIA merecia uma rasgada história de amor com paisagens lindas e beijos ao pôr-do-sol. Eu cresci lendo livros românticos. Reescrever esses clichês com protagonismo gay parece ser a realização de um sonho, o pagamento de uma dívida comigo mesmo e com tantos rapazes que nunca leram uma apaixonada história de amor entre homens. Foi a primeira vez que, ao digitar a última palavra, tive vontade de começar a escrever o próximo. Estou muito feliz com o resultado”, comemora.

Venda e solidariedade

O livro já está sendo comercializado em versão digital – disponível a R$ 5,99 na amazon.com.br ou gratuito para assinaturas ilimitadas do Kindle - e também impressa na Região Metropolitana de Belém – a R$ 15 no site saulosisnando.com.br.

Todo o lucro arrecadado com a venda do livro, durante este mês de junho, será destinado ao Comitê Arte Pela Vida que, há 25 anos, apoia pessoas que convivem com HIV e Aids no estado do Pará.

Cultura
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM CULTURA

MAIS LIDAS EM CULTURA