Maestro paraense Miguel Campos Neto vai reger Orquestra Sinfônica Brasileira

Titular das orquestras do Theatro da Paz e Altino Pimenta, ele vai atuar como convidado da OSB, em dois concertos.

Enize Vidigal
fonte

O maestro belenense Miguel Campos Neto irá reger a Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB), como maestro convidado, nos próximos dias 26 e 27 de novembro, no Rio de Janeiro. Há doze anos, ele é regente titular das Orquestras Sinfônicas do Theatro da Paz (OSTP) e Altino Pimenta (OASP), da Escola de Música da Universidade Federal do Pará (EMUFPA), e também do Festival de Ópera do Theatro da Paz. O primeiro convite para reger a OSB, ocorreu no ano passado.

Miguel Campos tem mestrado em Orquestral pela Mannes School of Music de Nova York. Ele é professor da EMUFPA, onde leciona Regência Orquestral, Prática de Orquestra, Violino e Música de Câmara. Em 2021, ele foi nomeado Regente Laureado da Chelsea Symphony, Orquestra sediada em Nova York, da qual foi diretor artístico e regente titular por cinco temporadas. Ele também possui uma trajetória internacional, tendo regido as Orquestras Sinfônicas de Puerto Rico (Porto Rico), de Mulhouse e de Avignon (ambas da França), Savaria (Hungria), de Alcalá de Henares (Espanha) e Dana Point Symphony (EUA). 

O convite à OSB terá duração de uma semana. "Serei apenas um maestro convidado. A minha prioridade de atuação ainda está nos trabalhos que desenvolvo com a OSTP e com a OSAP", explica o regente. "Atendo aos convites eventuais de orquestras do Brasil e do exterior que queiram que eu faça concertos como convidado", acrescenta.

As duas apresentações de Miguel Campos com a OSB acontecerão na Sala Cecília Meireles, na capital carioca, onde a OSB é sediada. O programa será o mesmo nas duas datas, com as músicas "Prelúdio para a Tarde de um Fauno", de Debussy; "Rapsódia sobre um Tema de Paganini", de Rachmaninoff; "Sinfonia em Dó Maior", de Paul Dukas. 

Ele explica que o convite à OSB "abre portas" para outras orquestras do Brasil". "Uma coisa especial sobre esse convite é que não é a primeira vez que rejo a OSB. Eu liderei a orquestra pela primeira vez ano passado e eles me convidaram para a temporada 2022. Para mim, isso é um testemunho de que o meu trabalho foi reconhecido e obteve a estima dos músicos", comemora.

Trajetória

Miguel Campos Neto foi fundador e regente, por 12 anos, da Orquestra Jovem Vale Música e, por quatro anos, foi regente da Orquestra Sinfônica Wilson Fonseca, em Santarém. No Brasil foi convidado a reger as orquestras sinfônicas do Mato Grosso; Rio Grande do Norte; do Teatro Nacional Cláudio Santoro, em Brasília; de Minas Gerais; Heliópolis; Experimental de Repertório (OER); do Teatro São Pedro, a Municipal de Campinas e da Universidade de Campinas, essas últimas de São Paulo.
Ainda, na temporada de 2020 e 2021, ele estreou como regente de óperas em palcos internacionais, com "Cavalleria Rusticana", de Pietro Mascagni, e "Pagliacci", de Rugero Leoncavallo, na Ópera Grand Avignon, na França.

 

Palavras-chave

Cultura
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM CULTURA

MAIS LIDAS EM CULTURA