Carlos Ferreira

Jornalista, radialista e sociólogo. Começou a carreira em Castanhal (PA), em 1981, e fluiu para Belém no rádio, impresso e televisão, sempre na área esportiva. É autor do livro "Pisando na Bola", obra de irreverências casuais do jornalismo. Ganhador do prêmio Bola de Ouro (2004) pelo destaque no jornalismo esportivo brasileiro.

Remo tem estatística de Série A e Paysandu vive reformulação em prol do ataque

Carlos Ferreira

Em público, este ano, o Remo só perde para clubes da Série A

Com a 15ª maior média de público do país na temporada (11.999 pagantes por jogo), o Remo só é superado por clubes da Série A: Flamengo, Corinthians, Palmeiras, São Paulo, Inter, Grêmio, Fortaleza,  Atlético/MG, Bahia, Cruzeiro, Ceará, Vasco, Santos, Athletico/PR. O Paysandu está na 19ª posição com 9.216. Esse ranking envolve jogos de todas as competições oficiais do Brasil.

O Remo vai aumentar a média de público já na próxima segunda-feira, no jogo contra o Ypiranga/RS, quando deverá ter de 15 mil a 20 mil pagantes no Mangueirão.  O Paysandu deverá elevar a média no dia 29, ao receber o Internacional, pela Copa do Brasil. Na atual Série C, o Leão é campeão de público com média de 7.398 e o Papão é vice com 5.151. Em seguida aparecem Botafogo/PB, Treze/PB, Santa Cruz/PE, Juventude/RS...

 

Condé arma um Papão mais arrojado

Considerando-se que Tiago Luis é um meia ofensivo pouco solidário na marcação, Léo Condé transmitiu no treino de ontem a ideia de um Paysandu arrojado, com uma dupla de volantes (Jhony Douglas e William) e um quarteto de ataque (Pimentinha, Tiago Luis, Mikael e Vinícius Leite), embora tenha utilizado Jheimy com 12ª peça para confundir.

A menos que todos se apliquem na recomposição das linhas de marcação e que o time seja compacto, o Papão vai correr o risco de perder o que tem de melhor: a consistência defensiva. Vale observar que a força ofensiva é a principal característica do Volta Redonda, que, não por acaso, tem a maior artilharia da Série C, com seis gols.

 

BAIXINHAS

* Eis as médias da dupla Re-Pa nas seis últimas temporadas. Paysandu:  15.856 pagantes em 2014, 13.737 em 2015, 8.902 em 2016, 6.161 em 2017, 7.373 em 2018, 9.216 em 2019. Remo: 6.496 em 2014, 15.394 em 2015, 14.068 em 2016, 12.358 em 2017, 11.276 em 2018, 11.999 em 2019.

* Torcida azulina esgotou o primeiro lote de ingressos do jogo Remo x Ypiranga, que tinha arquibancadas a 20 e cadeiras a 40 reais. Esses preços passam para 30 e 50 reais. É nessa procura dos torcedores que o Remo se baseia para projetar um público em torno de 20 mil pagantes, segunda-feira, no Mangueirão.

* Depois de 16 jogos consecutivos como titular do Papão, o goleiro Mota pode estar perdendo a titularidade para Douglas Silva, um carioca de 24 anos, formado pelo Juventude/RS. Antes de vir para Belém, Douglas Silva só havia jogado pelo Juventude, desde as categorias de base. É possível que na passagem do time gaúcho por Belém, informações sobre o atleta tenham pesado a favor dele.  

* Ao ser acionado no treino de ontem, no time reserva, Mota acusou dores musculares e está sob cuidados médicos. Ficaram no ar questionamentos sobre a lesão do atleta, que carrega a mesma rejeição que tanto pesou no psicológico de Renan Rocha, ano passado. Douglas Silva, que ainda não estreou pelo Papão, fez 40 jogos como profissional pelo Juventude: 8 em 2016, 13 em 2017 e 19 em 2018.  

* Neto Baiano, que estava na agulha para ser o novo centroavante do Remo, vai ter o contrato renovado pelo Vitória/BA. O atleta, de 36 anos, voltou a fazer gol e ganhou novo crédito. Isso frustrou o Leão Azul, que já teve outros homens de área engatilhados e os perdeu à última hora, como Tito, que resolveu permanecer no Confiança/SE. 

Carlos Ferreira