CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X

CARLOS FERREIRA

Jornalista, radialista e sociólogo. Começou a carreira em Castanhal (PA), em 1981, e fluiu para Belém no rádio, impresso e televisão, sempre na área esportiva. É autor do livro "Pisando na Bola", obra de irreverências casuais do jornalismo. Ganhador do prêmio Bola de Ouro (2004) pelo destaque no jornalismo esportivo brasileiro. | ferreiraliberal@yahoo.com.br

Por onde andam os meninos do Leão que surpreenderam o Brasil em 2013?

Carlos Ferreira
fonte

Jader; Andrey, Igor João, Yan e Alex Ruan; Nadson, Raí, Rodrigo; Guilherme, Rodrigão e Silvio. Técnico: Válter Lima. Esse era o time base Remo na Copa do Brasil sub-20. O Leão eliminou o Vitória/BA e o Flamengo. Saiu na semifinal, eliminado pelo Criciúma. O apogeu foi a vitória sobre o Flamengo por 3 x 0, com mais de 25 mil torcedores no Mangueirão e transmissão ao vivo pela ESPN.

Passados oito anos, não há nenhum daqueles meninos no Remo. Sete são adversários neste campeonato estadual: Igor João e Silvio no Caeté, Rodrigo no Itupiranga, Jader no Tapajós e Willian Fazendinha no Paysandu; Andrey e Edicleber no Amazônia, onde também está o então técnico e agora dirigente.

Alex Ruan está no Brusque/SC, Yan no URT/MG, Guilherme no São Raimundo/AM, Rodrigão no Moto Club. Gabriel Gonçalves jogou por último no Afogados da Ingazeira/PE. Nadson, Alexandre e Beto desistiram da carreira.

Um indo e outro voltando

Tsunami, revelação do Remo que ano passado esteve em Belém pelo Botafogo/PB e pelo Manaus, saiu do Brasil e agora defende o PFK Levski Sofia, da Bulgária. No país, Tsunami tem como referência o também paraense e ex-azulino Cicinho, do Ludogorets e da seleção búlgara.

Outro paraense fez caminho de volta. Paulo Baya, 22 anos, marabaense, atacante, voltou do Japão contratado pelo Avaí/SC. Baya foi revelado pelo Cascavel/PR e esteve emprestado ao clube japonês Ventforet Kofu. É mais um dos tantos que saíram do sudeste do Pará e iniciaram carreira em clubes distantes.

BAIXINHAS

* Determinado a conquistar o tricampeonato estadual, o Paysandu tem o maior orçamento. R$ 800 mil só de salários do elenco e comissão técnica. Custo geral acima de R$ 1 milhão por mês.

* No Remo, R$ 800 mil já é o custo mensal geral no futebol. O Leão Azul ousou menos porque continua com 70% das verbas de patrocínio destinados ao pagamento da dívida trabalhista, cuja quitação estava programada para este ano, mas como o esticamento de prazos ficou para 2023, ainda na atual gestão.

* Na política de contenção, o Remo aposta num "time operário", que estreou sob vaias na vitória sobre o Amazônia e hoje trata de causar melhor impressão ao desempenho contra o Paragominas, 16 horas, na Arena Verde.

* O Papão também tem seus "carregadores de piano", mas contratou pianistas, especialmente Ricardinho, que carrega o apelido de "maestro", com o seu futebol clássico. Justamente pelo perfil, o time bicolor tem hoje o desafio de superar a Tuna e demais adversidades, jogando às 9h30 no Souza.

* Remo x Parauapebas na decisão do sub-20. As duas equipes garantidas na próxima Copa São Paulo. Leão finalista ao eliminar o Castanhal, ontem, na Cidade Modelo, ao vencer por 3 x 1 no tempo normal e confirmar a classificação nos pênaltis. O Parauapebas eliminou o Cruz Azul, da capital.

* Remo já conquistou o sub-17, em cima do Paysandu, e o feminino diante do Gavião Kiikatejê. Leva a tríplice coroa do futebol amador se conquistar também o sub-20, contra a força emergente do Parauapebas. 

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Carlos Ferreira
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM CARLOS FERREIRA