Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

CARLOS FERREIRA

ferreiraliberal@yahoo.com.br

Jornalista, radialista e sociólogo. Começou a carreira em Castanhal (PA), em 1981, e fluiu para Belém no rádio, impresso e televisão, sempre na área esportiva. É autor do livro "Pisando na Bola", obra de irreverências casuais do jornalismo. Ganhador do prêmio Bola de Ouro (2004) pelo destaque no jornalismo esportivo brasileiro.

Pobreza de artilharia atrapalha o Remo

Carlos Ferreira

O Leão Azul saiu de campo sem fazer gol em 12 das 29 rodadas da Série B, fez apenas um em 10 e dois gols em 7 jogos. Em artilharia o Remo só supera Vila Nova, Operário, Londrina, Vitória e Brasil de Pelotas, todos abaixo da classificação. Contra o Vila Nova, na última sexta-feira, amassou o adversário e teve 25 finalizações, mas não fez gol. O que está acontecendo?

O Remo é um time sólido no seu modelo de jogo, mas com claras limitações no sistema ofensivo, que se empobreceu com a ausência de Erick Flores e com a queda de rendimento de Lucas Siqueira, dois que funcionavam bem como elemento surpresa. Ultimamente, o time vem se valendo das individualidades, especialmente de Lucas Tocantins e Jefferson.

Com o modelo de jogo bem estudado pelos adversários, o Remo precisa ampliar o repertório. Ou vai penar, sempre bem marcado.

Vocação para surpreender é a esperança no Papão

Em toda a temporada, o Paysandu fez mais quando menos se esperava e decepcionou quando causou as melhores expectativas, como no empate com o Botafogo/PB. A atuação foi tão ruim, na segunda-feira, que desanimou muitos dos que já se empolgavam. Porém, estamos falando de um time com clara vocação para surpreender. E é aí que moram as esperanças.

Sábado, a missão em Itu será vencer o Ituano para se recolocar em posição de acesso e de confiabilidade. Quem duvida? Mas, com certeza, para ter alguma chance de êxito, o time de Roberto Fonseca vai ter que derramar em Itu o suor que economizou na Curuzu.

BAIXINHAS

* Talento já reconhecido pelos bicolores e apenas 23 anos de idade. José Aldo tornou-se um "achado" pelo Paysandu. Mas esteve perdido no primeiro jogo diante da torcida. Sentiu? Se inibiu? Estava limitado por problema clínico?

* Vamos esperar outros jogos do José Aldo longe de Belém e na Curuzu para melhor avaliação, porque a primeira impressão foi de que se inibiu diante da Fiel. E não só ele!

* O lateral Igor Fernandes chegou ao Remo como "sombra" de Marlon e acabou virando titular. Se lesionou e teve o seu espaço ocupado pelo garoto Raimar. Recuperado da lesão, Igor Fernandes ressurge como "sombra" do novo titular da lateral-esquerda, enquanto Marlon se firmou como zagueiro.

* É justo e merecido o "derretimento" da grande mídia nacional pelo Paysandu nas iniciativas de ter uma diretoria da Mulher e de disponibilizar absorventes e medicamentos nos banheiros femininos. De fato, um golaço! Há pouco tempo as cobranças era por banheiros exclusivos para as torcedoras, que, assim, vão ganhando mais dignidade nesse mundo apaixonante do futebol.

* Está feita a investida pela ampliação do público nos estádios de Belém, de 30% para 50% da capacidade. O pleito é do Remo e a FPF vai submeter às autoridades sanitárias. Essa é uma questão sobre a qual todos podem opinar como quiserem, mas só os especialistas da Sespa e da Sesma devem
decidir.

* Japiim na Copa Verde. O Castanhal estreia em Manaus contra um Fast cuja base é sub-20, mas com alguns bem experientes, como o atacante Rossini. Remo e Paysandu estreiam na próxima semana com times alternativos. É a hora dos coadjuvantes! 

Carlos Ferreira
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM CARLOS FERREIRA