Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Vídeo de ubandistas em igreja católica gera polêmica nas redes sociais

O grupo de religiosos de matrizes africanas teria ido ao templo para realizarem um rito pedindo benção e acabaram sendo acusados de invasão

Maiza Santos

Uma polêmica se formou nas redes sociais após a circulação de um vídeo que mostra religiosos de matrizes africanas durante um rito dentro de uma igreja católica, no Distrito Federal. O registro foi compartilhado em grupos do WhatsApp e mostra uma fiel narrando a situação e acusando pais e mães de santo de estarem “invadindo” e fazendo um “trabalho de macumba” no local. A Federação de Umbanda e Candomblé do DF se manifestou para explicar que tratava-se apenas de um pedido de bênção, comum na religião. Entenda.

VEJA MAIS 

Cleo denuncia sofrer intolerância religiosa após se revelar adepta do candomblé
"Não existe só uma religião no mundo", rebateu a atriz

'Bandidos de Jesus': Traficantes destroem terreiro de candomblé
Os bandidos fizeram ameaças dizendo que o espaço não deve mais abrir

Exu: saiba mais sobre essa divindade do candomblé e da umbanda
Nas religiões de matriz africana, ele é conhecido por fazer a ponte entre o humano e o divino

Após o grande alvoroço que se formou por conta da divulgação do vídeo, um padre identificado como Manolo, responsável pela paróquia onde o ritual aconteceu, fez uma postagem nas redes sociais comentando as imagens. O religioso afirmou que recebeu o conteúdo com “perplexidade e indignação”.

“Já não se respeita mais a fé, a crença das outras religiões. Desafortunadamente, no intervalo da missa das 8h e das 10h, desobedecendo o pedido dos ministros extraordinários que, com tanto amor, carinho e educação, chegaram a eles pedindo que, por favor, saíssem, que não se podia fazer esse tipo de bênção, eles desobedeceram”, disse o padre. Veja:

Para acalmar os ânimos e esclarecer que nunca houve nenhum tipo de ‘ação maléfica’, o pai Alexandre de Oxalá, da Federação de Umbanda e Candomblé do Distrito Federal e do Fórum Inter Religioso da capital, explicou do que se tratava o rito.

“Algumas casas de matrizes africanas mantêm uma prática de pegar uma pessoa recém-iniciada e conceder a ela um caminho de vida, em que ela possa transitar em todos os lugares, frequentar todos os ambientes. Isso é chamado de quebra de quizila, de praga, de maldições. Eles levam a pessoa até a igreja para que essa pessoa receba a bênção do padre, a bênção do local”, esclarece.

Pai Alexandre também entrou em contato com a casa responsável pelo rito e afirmou que tudo aconteceu devido a uma falta de comunicação.Faltou diálogo entre os sacerdotes do candomblé com os sacerdotes da igreja católica. Existem religiosos que estabelecem uma conversa prévia, combinando tudo com o responsável pelo local e fica tudo bem. Por medo de sofrerem preconceito, eles tentaram fazer um rito mais apressado, no fim da missa”, conta.

De acordo com o padre Manolo, não houve nenhuma profanação na paróquia por parte dos candomblecistas. Após a repercussão do caso, grupos de religiões de matrizes africanas tentaram contato com a igreja para esclarecimento. A Federação de Umbanda e Candomblé se colocou à disposição da comunidade para explicar os ritos e desmistificar preconceitos.

Veja o vídeo dos candomblecistas dentro da paróquia:

(*Estagiária Maiza Santos, sob supervisão da editora de OLiberal.com, Adna Figueira)

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL