CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X

Sob Governo Lula, Cerrado passa Amazônia e se torna o bioma mais desmatado, aponta MapBiomas

Se considerado todo o país, o desmatamento teve queda de cerca de 12%. No total, foram 1,8 milhão de hectares devastados

O Liberal
fonte

Durante o primeiro ano do governo Lula (PT), o Cerrado ultrapassou a Amazônia e somou a maior área desmatada entre todos os biomas do Brasil em 2023, segundo dados do novo Relatório Anual de Desmatamento (RAD) divulgados nesta terça-feira (28) pela rede MapBiomas. O total de desmatamento nesse bioma equivale a 61% de todo o desmatamento registrado no país no ano passado, ou seja, mais de metade da devastação do país está centrada nessa área. Foram mais de 1,1 milhão de hectares devastados.

VEJA MAIS

image Pará registra 21% de redução no desmatamento e tem menor área desmatada desde 2019
Os índices são referentes ao desmatamento verificado por satélite no ano Prodes 2023, que vai de agosto de 2022 a julho de 2023

image Amazônia e Pará registram queda de mais de 60% no desmatamento nos dois últimos anos, diz MapBiomas
Também na Amazônia, houve redução de desmatamento em todos os estados, exceto no Amapá

image Quase 30 municípios do Pará estão em lista prioritária de programa de combate ao desmatamento
Governo Federal vai destinar R$ 730 milhões em investimentos para promover o desenvolvimento sustentável em 70 municípios prioritários na Amazônia

O desmatamento no Cerrado aumentou 67,7% em 2023, na comparação com o ano anterior. Já a Amazônia teve queda de 62,2% no mesmo período. Dos outros quatro biomas brasileiros, dois tiveram alta no desmatamento e outros dois apresentaram queda: Pantanal com uma  alta de 59%; Caatinga (alta de 43%); Pampa (queda de 50%); e Mata Atlântica (queda de 60%). Entretanto, os dois maiores biomas do Brasil – Amazônia e Cerrado – somam mais de 85% da área total desmatada no país.

Se considerado todo o país, o desmatamento teve queda de cerca de 12%. No total, foram 1,8 milhão de hectares devastados. No entanto, o levantamento aponta, mostrou, também, que, nos últimos cinco anos, o Brasil perdeu 8.558.237 hectares de vegetação nativa. E ainda, a organização informa que foi a primeira vez que a Amazônia não ocupou a primeira colocação nesse ranking. 

Foco

O estado que mais desmatou no ano passado foi o Maranhão — que pela primeira vez aparece no topo da lista. Foram 331,2 mil hectares suprimidos em 2023, representando um aumento de 95,1%. Em seguida aparecem dois estados que também tiveram muito cerrado destruído: Bahia (290,6 mil) e Tocantins (230,2 mil). Os três estados fazem parte da região considerada o novo vetor de desmatamento no país, o Matopiba — que corresponde à área do cerrado dos estados de Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia.

Com 73 milhões de hectares, o Matopiba responde por aproximadamente 10% da produção de grãos e fibras no país, com destaque para soja, milho e algodão.  Também em 2023, pela primeira vez desde que o MapBiomas faz o levantamento, houve predomínio de desmatamento em formações savânicas (54,8%), que é aquele tipo de vegetação que se acomoda a climas secos, típicos da caatinga e do cerrado.

As florestas, que lideraram em anos anteriores, responderam por 38,5% do total desmatado no país no ano passado. Ainda segundo o RAD, o desmatamento por pressão da agropecuária responde por mais de 97% de toda a perda de vegetação nativa no Brasil nos últimos cinco anos.

Ilegalidade

Segundo o estudo, 93% da área desmatada no Brasil em 2023 teve pelo menos um indício de ilegalidade, com a sobreposição a: areas autorizadas para supressão da vegetação nativa; Terras Indígenas ou Unidades de Conservação de proteção integral; Reserva Legal ou APP (Área de Proteção Permanente); Áreas de Planos de Manejo Florestal Sustentável; e Áreas embargadas. Em 2023, o cerrado foi o bioma com maior aumento de área desmatada dentro de reservas locais, com 136% de aumento.

Contando entre 2019 e 2023, foram 8,5 milhões de hectares de vegetação nativa desmatados em todo o Brasil — sendo 52% deles na Amazônia e 39% no cerrado. A área total equivale a quase duas vezes o território do estado do Rio de Janeiro. Para os pesquisadores, o desmatamento ocorreu de forma mais livre no cerrado, o que impulsionou o desmatamento.

Na Bahia, 51,8% de tudo que foi desmatado nos últimos cinco anos foi autorizado por órgãos ambientais. No Tocantins, essa média foi 47,7%. Para efeito de comparação, em Mato Grosso do Sul, o desmatamento autorizado foi de apenas 0,01%.

A Redação Integrada de O Liberal solicitou um posicionamento ao Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima para explicar quais medidas e ações governamentais são efetivadas como resposta ao desmatamento no país. A reportagem aguarda retorno.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Brasil
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL