Presos de Bangu 8 protestam na chegada de médico que estuprou grávida durante parto

Os detentos do presídio Pedrolino Werling de Oliveira sacudiram as grades, vaiaram e xingaram o anestesista Giovanni Quintella Bezerra. Ele passou a primeira noite em cela isolada

O Liberal
fonte

A chegada do médico anestesista Giovanni Quintella Bezerra no presídio Pedrolino Werling de Oliveira, o Bangu 8, por volta das 21h15 desta terça-feira (12), foi marcada por protestos dos presos que estão no local. Eles sacudiram as grades, vaiaram e xingaram o anestesista, que foi flagrado por uma câmera escondida estuprando uma grávida durante o parto. As informações são do G1 do Rio de Janeiro.

Giovanni passou a primeira noite no presídio após a prisão em flagrante ter sido convertida em preventiva, depois que ele passou por audiência de custódia.

VEJA MAIS

image Conselho de medicina aprova suspensão provisória de anestesista estuprador
Médico foi filmado estuprando uma paciente sedada durante o parto

image Profissional filmou anestesista estuprador após vê-lo esconder pênis ereto em jaleco
A enfermeira técnica percebeu que Giovanni Quintella estava com o órgão rígido, por debaixo da roupa, perto da cabeça da paciente desacordada

image Anestesista que estuprou grávida durante parto é suspeito de mais cinco abusos
O acusado teria cometido três estupros em um único dia, enquanto as mulheres estavam desacordadas devido cesariana

image Prisão de anestesista estuprador é convertida em preventiva e ele vai para Bangu
Giovanni Quintella Bezerra ficará sozinho em uma cela; mais cinco outros possíveis casos são investigados

A unidade em que o médico está preso é destinada aos detentos que têm nível superior. Seguindo o protocolo, ele passou a primeira noite isolado.

O equipamento que gravou o crime cometido pelo anestesista foi colocado na sala de parto por uma equipe do Hospital da Mulher de São João de Meriti, que passou a desconfiar das atitudes de Giovanni, entre elas o fato do médico sedar “de maneira demasiada” as pacientes.

Ao analisar o caso, a juíza Rachel Assad afirmou que a gravidade da conduta é extremamente acentuada. “Tamanha era a ousadia e intenção do custodiado de satisfazer a lascívia, que praticava a conduta dentro de hospital, com a presença de toda a equipe médica, em meio a um procedimento cirúrgico. Portanto, sequer a presença de outros profissionais foi capaz de demover o preso da repugnante ação, que contou com a absoluta vulnerabilidade da vítima, condição sobre a qual o autor mantinha sob o seu exclusivo controle, já que ministrava sedativos em doses que assegurassem a absoluta incapacidade de resistir”, declarou.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Brasil
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL