Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Polícia indicia madrasta acusada de envenenar os dois enteados

Segundo as investigações, a motivação do crime foi ciúmes de Cíntia Mariano do pai dos jovens

Luciana Carvalho

Nesta quinta-feira (07), os inquéritos que investigam o envenenamento dos irmãos Bruno, de 16 anos, e Fernanda Carvalho, de 22, devem ser concluídos pela Polícia Civil do Rio. Cíntia Mariano, madrasta dos dois, é acusada pelos crimes. As informações são do Extra, divulgadas pelo portal Metrópoles.

Segundo investigações da polícia, há indícios de que Cíntia envenenou Fernanda no dia 15 de março, mas só levantou suspeitas quando Bruno foi intoxicado, em 15 de maio. A jovem morreu após quase duas semanas internada no hospital. Já Bruno, sobreviveu.

O delegado Flávio Rodrigues, titular da 33ª DP (Realengo), afirmou ao Extra que pedirá a conversão da prisão temporária de Cíntia em preventiva. Ela está presa desde o dia 20 de maio.

VEJA MAIS

Madrasta é suspeita de envenenar os enteados com chumbinho; jovem de 22 anos morreu
A jovem passou mal e ficou internada por 13 dias, mas morreu no dia 27 de março. No dia 15 de maio, o irmão dela começou a passar mal após um almoço na casa da madrasta

Suspeita de envenenar enteados também ofereceu a comida para mãe dos jovens
Os irmãos foram envenenados com feijão que foi "temperado" com chumbinho

Filha de madrasta suspeita de envenenar enteados diz ter visto líquido esverdeado em prato; entenda
A filha da suspeita alegou ter visto um líquido esverdeado escuro e brilhante no fundo do prato do jovem que comeu feijão supostamente envenenado

“Em quase dois meses de investigações, pudemos demonstrar, por meio de provas testemunhais e técnicas, indícios de autoria e materialidade em ambos os procedimentos”, disse o delegado. “Concluímos que a madrasta colocou veneno nas comidas dos dois enteados em sua residência por ciúmes que mantinha do pai dos jovens, não querendo dividir com eles a atenção de seu companheiro, e o fez justamente para os eliminar do convívio familiar”, completou.

De acordo com o Extra, investigações do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) no celular da acusada apontam que Cíntia pesquisou na internet “como apagar conversas de WhatsApp” no dia 27 de abril.

Em uma conversa no aplicativo de mensagens, a madrasta fala para o irmão, Wesley: “veio almoçar aqui e foi envenenado. Uma desgraça está acontecendo aqui”, disse, no dia seguinte à internação do menino. “Mas, como assim? Se ele comeu aí. Onde ele está?”, pergunta o homem de volta.

(Luciana Carvalho, estagiária da Redação sob supervisão de Keila Ferreira, Coordenadora do Núcleo de Política).

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL