Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Henry rasgou a roupa da babá para não entrar no quarto com Jairinho, diz polícia

Em outra mensagem, Tayná conta que o padrasto se trancou no quarto, tampou a boca do menino, que só conseguia gritar "eu prometo"

Com informações do Uol

A Polícia Civil do Rio de Janeiro concluiu que o vereador Dr. Jairinho (sem partido) torturou ao menos duas vezes o enteado Henry Borel antes da morte do menino na madrugada de 8 de março. Os relatos foram encontrados no celular da babá da criança, Thayná Ferreira, que trocou mensagens com seu noivo e contou o que estava acontecendo dentro do quarto.

Leia mais:

Polícia pede prisão e indicia Dr. Jairinho e Monique por homicídio com tortura

Um dos fatos, segundo a polícia, ocorreu no dia 2 de fevereiro, quando Jairinho se trancou em um quarto, tampou a boca do menino, que só conseguia gritar "eu prometo".

Após a sessão de tortura, de acordo com a polícia, Jairinho e Henry saíram do quarto, mas o menino não fez nenhuma queixa imediata, somente horas depois, quando se recusou a brincar com outras crianças na brinquedoteca.

Outro momento de tortura já havia sido revelado nas investigações: foi em 12 de fevereiro, quando Thayná avisou a Monique sobre Jairinho e Henry trancados no quarto. Na ocasião, a mãe do menino estava em um salão de beleza e chegou em casa cerca de três horas depois.

No dia 12, Thayná também relatou ao noivo que, antes de entrar no quarto, Henry se agarrou a ela com tanta força que rasgou sua blusa. Jairinho pagou a ela R$ 100 pelo prejuízo. O delegado ainda cita um terceiro episódio, que "demonstra com muita clareza a rotina de violência" na casa, que aconteceu na última semana de fevereiro. Mas por falta de elementos necessários, Jairinho não foi indiciado por esse dia.

O casal foi indiciado por homicídio duplamente qualificado — por tortura e emprego de recurso que impossibilitou a defesa da vítima. O vereador também foi indiciado por tortura nos dias 2 e 12 de fevereiro, enquanto Monique responderá por omissão quanto à tortura de 12 de fevereiro, quando a babá relatou em tempo real agressões de Jairinho à criança.

Babá

A polícia diz que uma nova investigação foi aberta para apurar crime de falso testemunho praticado pela babá. Ela prestou dois depoimentos — no segundo, admitiu ter mentido a pedido de Monique. Entre as provas analisadas, está o laudo das mensagens de celular de Thayná.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL