Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Deputada confronta delegado por ter liberado procurador que agrediu a chefe; assista

Isa Penna (PcdoB) foi ‘cobrar providências’ sobre o caso do espancamento da procuradora-geral de Registro, Gabriela Samadello Monteiro de Barros

O Liberal

O delegado Fernando Carvalho Gregório, do 1º Distrito Policial de Registro, foi confrontado por Isa Penna (PCdoB), deputada estadual em São Paulo, por não ter prendido em flagrante o procurador municipal Demétrius Oliveira de Macedo, que espancou a chefe, Gabriela Samadello Monteiro de Barros, dentro da prefeitura, no horário do expediente. As informações são do Estadão.

“Você tá me dizendo que você olhou pra cara daquela mulher que está com o olho roxo, que nunca vai esquecer isso na vida dela, e você mandou ela pra casa e liberou o agressor dela? É isso que você está me dizendo? Sem pedir uma medida protetiva que fosse? E você se chama de servidor público? Você acredita que você está servindo a quem aqui?”, declarou a deputada.

As imagens dela questionando o delegado e que circulam nas redes sociais foram gravadas antes da prisão de Demétrius, que ocorreu na manhã desta quinta-feira (23). O mandado foi expedido por ordem do juiz Raphael Ernane Neves, da 1ª Vara da Comarca de Registro, que atendeu a um pedido do delegado Daniel Vaz Rocha, do 1º Distrito Policial da cidade.

VEJA MAIS

Suprema Corte julga caso que pode limitar aborto nos EUA
Análise sobre lei do Mississippi, que restringe a prática, levou parte dos juízes conservadores a sugerir sua revogação

Prefeitura e entidades se posicionam contra agressão à procuradora por colega de trabalho
O também procurador Demétrius Oliveira Macedo chegou a ser conduzido à delegacia, mas foi liberado

Procuradora é brutalmente agredida por colega de trabalho
As agressões teria ocorrido após o procurador Demétrius Oliveira Macedo descobrir que Gabruela Samadello Monteiro de Barros teria aberto um processo administrativo contra ele

Isa Penna informou que estava participando de um ato popular que ‘pedia justiça’ para Gabriela Samadello.

“Daqui por diante será assim. Agressores e assediadores podem me esperar em suas casas ou escritórios, com essa mesma postura: indignada, ativa e sem perdão. Vou expor um por um e oriento as mulheres a fazerem o mesmo. Hoje ele foi preso porque eu e outras tantas reagimos, assim continuaremos fazendo custe o que custar”, disse.

Em nota, o Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo reagiu à cobrança da deputada, alegando que ela agiu de maneira ‘desrespeitosa e acintosa’, questionando decisão tomada pelo delegado que registrou boletim de ocorrência sobre o caso.

Para a entidade, houve desrespeito e ‘exploração midiática’ da imagem do delegado, alegando ‘danos irreparáveis à honra e dignidade do policial civil’.

Veja a nota do Sindicato dos Delegados da Polícia Civil de São Paulo

O SINDPESP, instituição que prevê entre as suas atribuições o dever de velar pela dignidade dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo, defendendo os interesses, direitos, prestígio e prerrogativas dos seus integrantes, vem a público, por intermédio de sua Diretoria, para o fim de repudiar veementemente a conduta da Deputada Estadual Isa Penna, que, de maneira desrespeitosa e acintosa, questionou a decisão tomada pela Autoridade Policial, durante o registro da ocorrência da agressão sofrida pela procuradora-geral do município de Registro, Gabriela Samadello Monteiro de Barros.

O SINDPESP deixa claro que atos de violência dessa natureza praticados contra mulher são intoleráveis e precisam ser apurados e punidos com o rigor da lei.

Entretanto, o meio utilizado pela parlamentar para se insurgir contra as providências de Polícia Judiciária tomadas acerca dos fatos é inadmissível, totalmente inadequado e ultrapassou os limites da imunidade e prerrogativa do seu mandato.

É importante salientar que as ofensas proferidas pela Deputada Isa Penna atingiram a todas as Autoridades Policiais.

Desta forma, o SINDPEP vem hipotecar solidariedade ao colega pelo desrespeito sofrido, pela exploração midiática da sua imagem e pelo seu julgamento antecipado, sem proporcionar o sagrado direito de defesa.

O SINDPESP se insurge contra essa verdadeira execração pública, pois tais fatos causam danos irreparáveis à honra e dignidade do policial civil, que no exercício da sua liberdade de convicção, desempenha com dignidade as suas funções e presta relevantes serviços à Polícia Civil e população do Estado de São Paulo.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL