Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Brasileiros são executados em garimpo ilegal na fronteira da Venezuela; veja a identificação

Corpos dos quatro garimpeiros brasileiros e de um venezuelano foram retirados do local por um helicóptero

O Liberal

Já foram identificados os quatro garimpeiros brasileiros mortos em um garimpo ilegal na sexta-feira (12). Um venezuelano também morreu, segundo a Polícia Civil de Roraima. Os corpos foram retirados do local por um helicóptero ligado ao garimpo e levados para o território brasileiro antes da chegada das autoridades policiais venezuelanas. As informações são da Agência Estado.

Os cadáveres estavam enrolados em lonas e presos em uma rede. Informada sobre os corpos, a polícia de Iracema providenciou o traslado para o IML de Boa Vista, em carros funerários. Foram identificados os corpos dos brasileiros Francisco Pereira, de 42 anos, Raimundo Charles da Conceição Pereira, de 40, Dilviane Nunes da Silva, de 35, e João Barbosa da Silva, de 57 anos. Raimundo e Francisco eram irmãos e Dilviane seria a cozinheira do garimpo. Também foi identificado entre as vítimas o venezuelano Oswaldo José Figuera Suarez, de 31 anos.

VEJA MAIS

No Pará, 30,4% da área de garimpo não tinha título de exploração, em 2020
Dado é de pesquisa premiada que mostra que mais da metade da área de garimpo no Brasil é ilegal

PF investiga garimpo clandestino em terra indígena no sudoeste do Pará
Até o momento, ninguém foi preso, apenas alguns celulares foram apreendidos dos alvos das buscas

Internet vira vitrine para mercúrio, garimpo, licenças ambientais e prostituição na Amazônia
Vendas virtuais de fácil acesso no município do sudoeste paraense acumulam crimes ambientais e irregularidades

Os cadáveres foram descarregados próximo a uma rodovia vicinal, na vila de Campos Novos, no município Iracema, a cerca de 100 quilômetros da capital, Boa Vista. A Polícia Civil confirmou que o Instituto Médico Legal (IML) fez a perícia e identificou as vítimas na última sexta-feira, 12.

Polícia Federal foi procurada

O coordenador de articulação política de um movimento de garimpeiros, Jailson Mesquita, disse ter procurado a Polícia Federal (PF) na manhã de segunda-feira, 8, para relatar o assassinato dos cinco garimpeiros enquanto dormiam, na madrugada do domingo, 7, em uma região remota de garimpo do Cerro Delgado Chalbaud, na Venezuela, na fronteira com Roraima. Ele disse que havia procurado as autoridades para a remoção dos corpos, mas os próprios garimpeiros se anteciparam e fizeram o traslado de helicóptero.

Conforme a Polícia Civil de Roraima, as causas da chacina serão investigadas pela polícia venezuelana. "A responsabilidade quanto à investigação é da polícia do país vizinho, com a qual haverá colaboração", disse, em nota. Garimpeiros brasileiros divulgaram em redes sociais que os colegas teriam sido mortos pela Guarda Nacional da Venezuela, o que foi desmentido por outros garimpeiros. A ação criminosa teria como objetivo o roubo das máquinas brasileiras usadas no garimpo.

 

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL