Anvisa autoriza estudo para nova vacina contra a covid-19

Imunizante será desenvolvido pela Universidade Federal de Minas Gerais

Emilly Melo
fonte

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a condução de um novo estudo clínico da SpiN-Tec, uma candidata à vacina para a covid-19. A autorização foi publicada nesta segunda-feira (3). Com informações de Agência Brasil.

VEJA MAIS

image Sesma realiza 'apitaço' da vacina no Solar da Beira, no Complexo do Ver-o-Peso
Ação objetiva reforçar imunização em Belém para crianças e adultos com pendência no calendário vacinal

image Belém disponibiliza vacina contra a covid-19 na Estação das Docas
Ponto estratégico também oferece imunizantes contra HPV, tríplice viral, influenza e poliomelite

image Círio 2022: Pará realiza campanha de vacinação durante Festividade de Nazaré ao lado da Basílica
Segundo a Sespa, estarão disponíveis vacinas contra covid-19, difteria e tétano, a tríplice viral e imunizantes contra HPV para a faixa etária de 9 a 14 anos

A SpiN-Tec é uma proteína quimérica recombinante que usa a proteína SpiN, desenvolvida pelo Centro de pesquisa e produção de vacinas da Universidade Federal de Minas Gerais (CT Vacinas da UFMG).

Foram analisados os dados das etapas que antecederam o desenvolvimento dos produtos, inclusive os estudos não clínicos in vitro e em animais. A agência também analisou os dados preliminares dos estudos clínicos em andamento. Até o momento, os resultados obtidos demonstram um perfil de segurança aceitável da vacina candidata

A Anvisa afirma que os estudos são ensaios clínicos em que o produto investigacional será utilizado pela primeira vez em humanos. O ensaio terá duas partes: “Um ensaio clínico, de fase 1, de dose escalonada para verificar segurança e reatogenicidade do produto investigacional; e outro ensaio clínico, de fase 2, para estudo de segurança e imunogenicidade da SpiN-Tec”.

“O ensaio clínico incluirá participantes saudáveis de ambos os sexos, com idade entre 18 e 85 anos, que completaram o esquema vacinal primário com a Coronavac ou Covishield (Astrazeneca/Oxford), e que receberam uma ou duas doses de reforço com a Covishield ou Comirnaty (Pfizer) há pelo menos seis meses”, informou a Anvisa.
A pesquisa será financiada pela UFMG, Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovação (MCTI), pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e prefeitura de Belo Horizonte. 

(*Emilly Melo, estagiária, sob supervisão de Keila Ferreira, coordenadora do Núcleo de Política)

Palavras-chave

Brasil
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL