Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

População busca alternativas para evitar calçadas irregulares em Belém; vídeo

Buracos, obras inacabadas, excesso de entulho e materiais quebrados estão entre os motivos que levam a desviar da via e optar, até mesmo, por dividir espaço com carros

Camila Azevedo

Não é de hoje que a situação das calçadas em Belém é crítica. São buracos, obras inacabadas, tampas de esgoto quebradas e, muitas vezes, enorme acúmulo de lixo. Tudo contribui para que a passagem do pedestre seja dificultada e as vias de locomoção obstruídas. A equipe de reportagem de O Liberal visitou algumas ruas da capital nesta quinta-feira (15) e constatou a variedade de problemas envolvendo os caminhos diversos escolhidos para o tráfego da população.

Na avenida Assis de Vasconcelos, por exemplo, próximo a praça da República, é possível ver a quantidade de calçadas em condições complicadas. O fluxo no local é grande por contar com uma parada de ônibus ao redor. Com isso, as pessoas são constantemente obrigadas a passar pelas deformidades, correndo o risco de um acidente. Já na avenida João Paulo II, esquina com a travessa Humaitá, é possível observar a mesma destruição: os restos do concreto chegam até a invadir a via de retorno do ponto.

O acúmulo de entulhos derivados de restos de obras já chegou a quase obstruir por completo o trecho de calçada na avenida Perimetral, em Belém (Ivan Duarte / O Liberal)

VEJA MAIS

Cabos pendurados em postes representam riscos para moradores no bairro da Marambaia
Ao longo da avenida Rodolfo Chermont, na Marambaia, os moradores precisam andar desviando dos cabos e fios soltos pelas calçadas

Prefeitura quer normatizar uso de calçadas por bares e restaurantes em Belém
Atualmente, o Código de Posturas veda o uso desses espaços como “terrace” por esses estabelecimentos

Queda de poste de energia termina em acidente envolvendo trabalhadores
Os fios de alta tensão energizados ficaram caídos nas portas das garagens e nas calçadas

Outra parte da cidade que não fica de fora do transtorno é a avenida Perimetral. Por lá, o calçamento quase não é visto em algumas áreas, seja por entulho, seja por buraco. A situação ganha um novo destaque quando as maiores vítimas são pessoas que possuem mobilidade reduzida, como idosos. Nessa horas, a opção é uma: procurar rotas alternativas para driblar o problema, que nem sempre são as mais seguras. 

Essa é a realidade da Maria Rodrigues, de 65 anos. Ela sempre visita os parentes que moram na travessa Mariz e Barros e diz que é costume preferir dividir espaço com os carros na rua do que correr o risco de cair, novamente, em uma calçada com irregularidades. “Nós ficamos sujeitos a andar pelo asfalto, pela pista, que é arriscado, mas, fazer o que. Aqui eu já evitei cair porque parei de andar, vi outras pessoas caindo e parei, ando pela rua. É mais seguro entre aspas, porque também tem os veículos”, explica. 

Maria afirma que não enxerga o problema apenas em um ponto de Belém, mas em toda a parte. “Não é só aqui, na Mariz e Barros, é em quase todos os locais que têm calçadas. É complicado, porque fica às vezes com entulho, uma calçada mais alta, outra mais baixa, esses bloquetes nem são confiáveis porque tem muitos que estão soltos ou quebrados”, aponta. 

Carros estacionados impedem pedestres de andarem nas calçadas em Belém
Obstrução de calçadas é infração grave, mas fiscalização incipiente tornou irregularidade um hábito 

Longa fila de pessoas à procura de atendimento toma calçadas da Policlínica
Fluxo de atendimento cresceu muito durante essa semana, acompanhando subida de casos na capital

O empreendedor de 51 anos, Célio André, faz parte da parcela da população que procura desviar das irregularidades encontradas. Ele mantém uma venda de café da manhã na avenida Romulo Maiorana e vê com frequência a situação se repetir. A opção encontrada varia entre a grama e o meio da rua. “As calçadas são irregulares. Quando é quebrada, passam tempos para consertar e, quando vê, o serviço é mal feito, demora, tem acidente. Quem quer evitar o fluxo do Bosque, vem para a calçada caminhar. É tudo desproporcional”, ressalta.

Dona Maria de Nazaré sofre, no bairro da Pedreira, com a falta de calçadas regulares, tendo de enfrentar a falta de fiscalização no padrão estabelecido pelo Código de Postura dos Município de Belém (Ivan Duarte / O Liberal)

Lei

O Código de Posturas do Município de Belém (Lei 7.055/77) define que calçadas elevadas, rampas, escadas de qualquer material ou garagens e obstruções de todo tipo são alguns dos exemplos de irregularidades que contrariam a legislação e podem levar a penalidades.

O Artigo 30 estabelece, ainda, que construções de tapumes ou depósitos de materiais de construção ou demolição, veículos e qualquer outro tipo de obstáculo que impeça o trânsito livre é proibido.

A Redação Integrada de O Liberal procurou a Secretaria Municipal de Urbanismo de Belém (Seurb), mas ainda não obteve resposta.

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM