Pará é um dos líderes em policiais mortos e também em vítimas de ações policiais

De 2013 a 2017, foram 1.166 mortes derivadas de ações, além de 154 mortes de policiais

João Thiago Dias

O Pará está entre os estados brasileiros que mais registraram vitimização policial (morte de policiais) e letalidade policial (morte de cidadãos em decorrência de intervenções dos agentes de segurança). De 2013 a 2017, foram registradas 1.166 mortes em decorrência de intervenção e 154 mortes de agentes de segurança. Os números foram avaliados em um estudo divulgado na semana passada pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV DAPP), do Rio de Janeiro, que apontou que existe uma correlação proporcional entre as duas situações de ocorrências.

LEIA MAIS:
Perseguição termina com quatro mortos, dois PMs baleados e quatro feridos em batida

- Helder Barbalho vai ao enterro de PM assassinado em Mosqueiro
Policial militar é assassinado em Mosqueiro

Em 2017, o Pará foi o quarto que mais contabilizou mortes devido a ações policiais, com 388 ocorrências, ficando atrás do Rio de Janeiro (1.127), São Paulo (940) e Bahia (668). Já no ranking das unidades da federação que registraram mais policiais assassinados, o Pará ficou em terceiro lugar em 2017, com 37 ocorrências. Desses, 35% estavam em serviço e o restante estava de folga. O Estado ficou atrás apenas do Rio de Janeiro (104) e São Paulo (60).
 

 


RELAÇÃO

De acordo com o estudo, é possível dizer que, de 2013 a 2017, o volume de mortes provocadas pelas intervenções, de certa forma, influencia no número de mortes de policiais ou vice-versa.

O estudo foi feito a partir do DataCrime, ferramenta de interpretação guiada por dados de segurança pública do Brasil, congregando estatísticas sobre violência, efetivo e cárcere nos estados brasileiros.

Neste caso, foram utilizados números oficiais declarados pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública (ABSP), que indicam que quando há um aumento da letalidade policial também é observado um aumento da vitimização policial.

A correlação foi verificada tanto para policiais em serviço como fora dele. Apesar de estar presente nos dois casos, a análise observou que essa correlação é mais alta quando consideradas as mortes de policiais em momentos de folga. A equipe responsável pelo estudo também afirmou que, durante a atuação policial, há um maior número de vítimas, inclusive entre os membros da corporação.

DIFICULDADES

Em seu site, a FGV DAPP informou que buscou apontar que o Brasil tem tido dificuldades em garantir o direito à segurança e à vida tanto para seus agentes de segurança quanto para a população de forma geral.

"Nesse contexto, este estudo foi dedicado à exploração desses dois fenômenos: a vitimização e a letalidade policial, visando compreender a relação estabelecida entre elas e o resultado de aproximadamente 40 anos de políticas públicas de segurança voltadas para o combate ao crime organizado, com base na ostensividade", informou o texto do site.

"Esta análise se aproximou das hipóteses de que ambos os fenômenos fazem parte da mesma dinâmica de violência e de que os resultados alcançados são pouco efetivos na queda dos indicadores criminais", concluiu no mesmo texto.


NÚMEROS

2017
Estados que mais contabilizaram mortes devido a ações policiais

1º Rio de Janeiro (1.127)
2º São Paulo (940)
3º Bahia (668)
4º Pará (388)
5º Paraná (365)
 

2017
Estados que mais contabilizaram policiais mortos

1º Rio de Janeiro (104)
2º São Paulo (60)
3º Pará (37)
4º Ceará (25)
5º Pernambuco (24)


De 2013 a 2017
Pará
1.166 letalidade policial
154 vitimização policial


FONTE: FGV DAPP

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM BELÉM