CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X

STF retoma julgamento do marco temporal para demarcação de terras indígenas em 20 de setembro

Além de debater a validade do marco, os ministros também estão analisando a possibilidade de indenização a particulares

O Liberal
fonte

O Supremo Tribunal Federal (STF) agendou para o dia 20 de setembro a continuação do julgamento que aborda o marco temporal para a demarcação de terras indígenas. A sessão foi interrompida na quinta-feira (31) após registrar um placar de 4 votos contra a tese e 2 a favor. Os ministros que se manifestaram contrários ao marco são Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes, Edson Fachin e Cristiano Zanin, enquanto Nunes Marques e André Mendonça votaram a favor.

Além de debater a validade do marco, os ministros também estão analisando a possibilidade de indenização a particulares que adquiriram terras de boa-fé. A ideia é de que a indenização inclua as melhorias feitas na terra e o valor da terra nua, abrangendo proprietários que receberam títulos de terras que deveriam ser consideradas áreas indígenas. Essa proposta conta com o apoio dos votos de Moraes, Barroso e Zanin.

VEJA MAIS

image Zanin e Barroso votam contra marco temporal em retomada de julgamento no STF; acompanhe
Placar estava 2 a 2 quando o julgamento foi retomado, mas agora está 4 a 2 contra o marco temporal

image André Mendonça vota a favor do marco temporal e iguala placar
STF decide se é constitucional a tese do reconhecimento de terra indígena quando era habitada na época da promulgação da Constituição

image STF retoma julgamento sobre marco temporal de terras indígenas com presença de indígenas; acompanhe
Ministros decidem se terras consideradas indígenas têm como marco habitação quando a Constituição foi promulgada

O cerne do julgamento gira em torno do chamado marco temporal. De acordo com essa tese, apoiada por donos de terras, os indígenas só teriam direito às terras que estavam sob sua posse até o dia 5 de outubro de 1988, data da promulgação da Constituição Federal, ou que estavam em disputa judicial na época. Os povos indígenas se opõem a esse entendimento.

O processo que originou essa discussão envolve a disputa pela posse da Terra Indígena (TI) Ibirama, localizada em Santa Catarina. Essa área é habitada pelos povos Xokleng, Kaingang e Guarani, e a posse de uma parte da terra está sob questionamento por parte da procuradoria do estado.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Política
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA