Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Fundo eleitoral: partidos têm até quarta para renunciar aos recursos que somam quase R$ 5 bi

O valor destinado às campanhas políticas é o maior da história do Brasil. Até o momento, nenhuma legenda abriu mão das cifras milionárias

O Liberal

Para as eleições de 2022, os partidos políticos terão R$4,9 bilhões disponíveis para campanha por meio do fundo eleitoral. É a cifra mais alta já determinada para o recurso, que será distribuído a partir de junho para os candidatos. O dinheiro do fundo eleitoral é repartido entre as legendas com base nos votos recebidos nas eleições gerais mais recentes e o tamanho das bancadas na Câmara e no Senado. Cabe a cada legenda decidir como o dinheiro deve ser distribuído. O União Brasil, que nasceu da fusão entre o Democratas e o Partido Social Liberal (PSL), chegou a 81 deputados e sete senadores a partir do agrupamento e lidera a lista de recursos, com mais de R$770 milhões disponíveis.

VEJA MAIS

Conscientização política transforma visão de jovens
Projetos lutam pela democratização dessa discussão e defendem o poder do voto nas eleições

‘Você tem que ver o tanto de viúva do Bolsonaro que me procura’, diz pré-candidato Pablo Marçal
O empresário, escritor e influenciador digital conversou com exclusividade com o Grupo Liberal

Eleições 2022: Saiba os benefícios e como se inscrever para ser mesário
O Tribunal Regional Eleitoral do Estado intensificou a campanha para chamar os mesários voluntários que vão atuar nas eleições deste ano. A Justiça Eleitoral terá mais de 80 mil mesários no Pará

A legislação permite, porém, que partidos renunciem aos recursos até o dia 1º de junho, o que ocorreu em 2020 por parte do Novo e Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB). Até o momento, nenhuma legenda abriu mão das cifras milionárias. O Brasil adota o financiamento misto, no qual contribuem para as campanhas tanto o poder público quanto os particulares, mas com uma preponderância dos recursos públicos.

Vespasiano Rubim, coordenador de Dados Partidários e Prestações de Contas do Tribunal Regional Eleitoral do Pará lembra que a arrecadação e os gastos de recursos para campanhas eleitorais devem se dar conforme as previsões da Constituição Federal e da Lei das Eleições (9.504/97), com especial cuidado para a emissão dos recibos eleitorais, transição de valores pela conta bancária aberta e alimentação do sistema de prestação de contas eleitorais, bem como os critérios de distribuição para o financiamento de candidaturas femininas e de pessoas negras.

"Um dos principais equívocos é a não entrega das contas finais, acreditando-se, por exemplo, de que, como houve renúncia ou desistência da campanha, não se têm obrigação de apresentá-las. Todavia, a legislação exige a prestação de contas de todos os participantes, mesmo os que não tenham tido sucesso no julgamento de seu pedido de registro de candidatura.  A falta de prestação de contas gera consequências gravosas, como a ausência de quitação eleitoral no mínimo pelo curso do mandato ao qual concorreu, e até mesmo a condenação à devolução dos recursos públicos recebidos", afirma Rubim. 

O Tribunal recomenda que os participantes fiquem atentos ao lançamento de toda a arrecadação e gastos nos sistemas da Justiça Eleitoral, acompanhados por profissional de contabilidade. Todos devem encaminhar a prestação de contas parcial entre os dias 9 e 13 de setembro. Já a prestação de contas final deve ser apresentada até o 30º dia posterior às eleições. Já os participantes de eventual segundo turno precisam enviar, até o 20º dia posterior à realização do pleito a movimentação financeira dos dois turnos.

Confira quanto cada partido irá receber para realizar campanha eleitoral em 2022:

  • União Brasil - R$ 770,07 milhões (15,73% do total)
  • PT - R$ 484,61 milhões (9,89%)
  • MDB - R$ 356,72 milhões (7,28%)
  • PP - R$ 338,59 milhões (6,91%)
  • PSD - R$ 334,18 milhões (6,82%)
  • PSDB - R$ 314,09 milhões (6,41%)
  • PL - R$ 283,22 milhões (5,78%)
  • PSB - R$ 263,62 milhões (5,38%)
  • PDT - R$ 248,43 milhões (5,07%)
  • Republicanos - R$ 242,06 milhões (4,94%)
  • Podemos - R$ 187,67 milhões (3,83%)
  • PTB - R$ 112,21 milhões (2,29% do total)
  • Solidariedade - R$ 110,754 milhões (2,26%)
  • Psol - R$ 97,51 milhões (1,99%)
  • Pros - R$ 89,18 milhões (1,82%)
  • Novo - R$ 87,71 milhões (1,79%)
  • Cidadania - R$ 86,24 milhões (1,76%)
  • Patriota - R$ 84,28 milhões (1,72%)
  • PSC - R$ 79,87 milhões (1,63%)
  • PCdoB - R$ 74,48 milhões.

Palavras-chave

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA