Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Ex-superintendente de Pesca e Aquicultura é condenado por fraudes na concessão do seguro defeso

Justiça Federal determinou 16 anos e 8 meses de reclusão pela concessão irregular do benefício

O Liberal

O ex-superintendente federal de Pesca e Aquicultura do Pará, Paulo Sérgio Souza, foi condenado pela Justiça Federal a 16 anos e 8 meses de reclusão, pelas fraudes na concessão irregular de benefícios do seguro defeso. A sentença foi decretada pela 3ª Vara Federal e assinada na última sexta-feira (1º). Ainda cabe recurso ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), em Brasília.  

VEJA MAIS

Ministério exonera paraense após operação contra fraude no seguro defeso
Irmão do deputado federal Éder Mauro, Amaurivaldo Cardoso Barra era chefe da Divisão de Desenvolvimento, Registro e Monitoramento da Aquicultura e Pesca. Ele alega que fez denúncias ainda em julho de 2021

Seguro Defeso: dois vereadores do Pará são presos em operação da PF
Entre os presos pela Operação Tarrafa, da Polícia Federal, estão três vereadores: um de Abaetetuba e outro de Soure, no Pará, e um terceiro da cidade de Viana, no Maranhão

Seguro Defeso: 38% das fraudes investigadas pela PF ocorreram no Pará
Depois do Pará, o Maranhão é o segundo estado brasileiro com o maior percentual de fraudes, equivalente a 26%

O Ministério Público Federal (MPF) relata que Paulo, conhecido como “Chico da Pesca”, montou um esquema de fraudes no período em que exercia o cargo de superintendente, de 2007 a 2009. As irregularidades consistiam na implantação de dados falsos no Sistema de Registro Geral da Pesca (RGP), que possibilitava o cadastramento de pessoas que não possuíam características de pescador artesanal, a fim de conseguir vantagem indevida. 

Ainda de acordo com o MPF, as fraudes teriam o objetivo de captar votos na campanha eleitoral do réu a deputado estadual, oferecendo a concessão ilícita dos benefícios para quem não tinha direito, especialmente aos falsos pescadores ligados à Colônia Z-81 de Moju, município a cerca de 70 quilômetros de Belém. Para o Ministério, não há dúvidas de que Souza tenha utilizado o cargo com finalidades eleitoreiras para atender aos interesses particulares, e que continuou com as práticas mesmo após deixar o cargo.

O juiz federal Rubens Rollo D’Oliveira ressalta, na sentença, que as provas juntadas nos autos demonstram a existência de um esquema de fraudes, que permitiu a centenas de pessoas terem o registro de pescador sem nunca terem desempenhado essa atividade, e ainda conseguirem receber o benefício do seguro defeso de forma fraudulenta.

O magistrado também afirma, diferentemente das argumentações da defesa, que a prova do auto é suficiente. “Entendo de modo contrário, uma vez que, para mim, a fraude poderia ter sido evitada e para que isso acontecesse bastaria que o réu cumprisse e fizesse cumprir, na condição de superintendente da SFPA/PA, as instruções normativas do Ministério da Pesca e Aquicultura aplicadas ao requerimento para obtenção de registro geral de pescador artesanal".

Seguro Defeso: operação da PF mira fraudes no Pará e mais 11 estados; prejuízo é de R$ 1,5 bilhão
A operação Tarrafa tem 180 mandados de busca e apreensão e 35 mandados de prisão preventiva a serem cumpridos. No Pará, seis servidores da Secretaria de Aquicultura e Pesca foram afastados

Quase 8,5 mil benefícios de seguro-defeso foram invalidados no Pará
Número corresponde a cerca de 40% do total notificado no Brasil entre novembro de 2020 e agosto de 2021

A sentença reforça ainda não haver nos autos informações que permitam valorar, com o mínimo de imparcialidade e segurança, nem a conduta social nem a personalidade do ex-superintendente. “As circunstâncias do crime revelam que o réu atuava aliado a terceiros que agiam a seu mando, dentro da SFPA/PA, sem terem vínculo com a administração pública e remunerados com dinheiro do próprio réu”, afirma o juiz.

A reportagem tentou contato com o ex-deputado pelas redes sociais, mas ainda não obteve resposta.

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA