Deputado aciona PGR contra decreto que criou departamento para combater desinformação

Pedido foi feito por Carlos Sampaio (PSDB-SP) para tentar derrubar o decreto da AGU

Emilly Melo
fonte

O deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP) entrou, na quinta-feira (5), com uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o decreto da Advocacia-Geral da União (AGU), que criou a Procuradoria Nacional de Defesa da Democracia. 

VEJA MAIS

image 'Projeto Comprova' lança aplicativo para celular que ajuda a identificar desinformação
A iniciativa é liderada pela Abraji e reúne mais de 40 veículos de comunicação brasileiros, entre eles, O Liberal; segunda versão do aplicativo permitirá verificação de imagens

image Eleições 2022: YouTube seleciona O Liberal para checagem de informações sobre a Amazônia
Entre mais de 160 projetos inscritos, apenas seis organizações de notícias do país foram selecionados pelo ICFJ e Youtube Brasil para receber fundos e mentoria para combater desinformação

O departamento foi criado para combater notícias falsas e desinformação sobre políticas públicas. A solicitação pede que o procurador-geral da República, Augusto Aras, analise se houve invasão das atribuições do Ministério Público e se é possível ajuizar uma ação contra a medida no Supremo Tribunal Federal (STF).

O deputado acusa o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de "ideologização" e de tentar "controlar opiniões". Ele também alerta para o risco de instrumentalização do órgão recém-criado e afirma que, por fazer parte da estrutura administrativa do governo federal, a AGU não pode "querer dizer o que é verdade, ou não, na manifestação de qualquer cidadão".

"Não incumbe ao Poder Executivo regular opiniões e a liberdade de expressão, inclusive quanto a políticas públicas. Eventuais danos sofridos pela União ou qualquer outro ente da federação, decorrente do uso da desinformação, deverá receber o devido tratamento, inclusive com a propositura de demandas para reparação desse dano. Todavia, não cabe ao Poder Público acionar o Poder Judiciário contra opiniões de qualquer pessoa", diz um trecho da representação.

Quando a medida foi anunciada, a AGU informou que os dispositivos do decreto ainda serão regulamentados. Embora a legislação brasileira não tenha uma definição para o conceito de desinformação, a pasta definiu como "mentira voluntária, dolosa, com o objetivo claro de prejudicar a correta execução das políticas públicas com prejuízo à sociedade e com o objetivo de promover ataques deliberados aos membros dos Poderes com mentiras que efetivamente embaracem o exercício de suas funções públicas".

(*Emilly Melo, estagiária, sob supervisão de Hamilton Braga, coordenador do Núcleo de Política)

Política
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA