Alexandre de Moraes nega transferência de Roberto Jefferson para hospital

Ministro diz que pedido 'causa perplexidade', porque há poucas semanas Jefferson não demonstrou fragilidade ao receber agentes da PF com tiros  

O Liberal
fonte

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes negou, nesta sexta-feira (25), o pedido da defesa do ex-deputado Roberto Jefferson para que ele fosse transferido da prisão para um hospital particular na Barra, no Rio de Janeiro.

Os advogados de Jefferson alegavam que na unidade hospitalar ele poderia receber o tratamento de que necessita "sob pena de agravamento irreversível do seu estado de saúde", o que, segundo eles, poderia "resultar em risco de morte". 

VEJA MAIS 

image Polícia Federal indicia Roberto Jefferson por quatro tentativas de homicídio
Seap informou que o ex-deputado deve passar por uma audiência de custódia ainda hoje

image Roberto Jefferson se entrega à Polícia Federal e já está preso
Ele resistiu por 8 horas desrespeitando ordem do STF 

image Homem que agrediu cinegrafista durante prisão de Roberto Jefferson foi exonerado
Diogo Lincoln Resende exercia cargo de assessor na Câmara de Vereadores de Três Rios e foi exonerado após agredir o cinegrafista Rogério de Paula durante a cobertura da prisão do ex-deputado Roberto Jefferson

Na decisão, Moraes afirmou que o pedido “causa perplexidade", já que há quatro semanas, em 23 de outubro passado, Jefferson recebeu a tiros agentes da Polícia Federal que foram à casa dele para cumprir mandado de prisão. Ele deu tiros de fuzis e tinha granadas.

Sem sintomas de debilidade

O ministro argumenta que naquela situação o ex-deputado não demonstrou qualquer sintoma de debilidade, conforme apontam agora os advogados. Para Alexandre de Moraes, a documentação juntada nos autos do processo pela defesa de Roberto Jefferson indica que o estabelecimento prisional no qual ele está tem "plena capacidade" de efetivar o tratamento que ele precisa:

"[...] os exames indicados pelo médico particular podem ser realizados no âmbito prisional ou mediante busca de vaga no Serviço Universal de Saúde (SUS), bem como eventual atendimento de emergência [...], diz um trecho da decisão.

Moraes lembrou que em sua prisão anterior, Roberto Jefferson teve a transferência autorizada para o tratamento em hospital particular, mas acabou violando diversas medidas cautelares impostas a ele impostas, como uso de pessoas para divulgação de vídeos em redes sociais e repasse de orientações ao seu partido, o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).

Em 23 de outubro passado, Roberto Jefferson foi preso em flagrante, mesmo dia em que ele atacou os agentes da PF. Dias depois, o ministro Alexandre de Moraes converteu a prisão em flagrante em prisão preventiva, quando não há prazo determinado para a soltura do acusado. Ele está preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, no Rio de Janeiro.

Política
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA