Assassinato de jovem esteticista comove e revolta população paraense

Vítima foi encontrada morta em um matagal

Byanka Arruda

O feminicídio da jovem Samara Mescouto, de 20 anos, brutalmente estuprada e assassinada no último final de semana, em Marituba, região metropolitana de Belém, comoveu e chocou a população paraense. A esteticista foi encontrada morta no final da tarde de domingo (12), em um matagal situado no conjunto Beija-Flor, às proximidades da residência de um dos suspeitos do crime. Samara havia saído para trabalhar, estava indo atrás do sustento dos seus três filhos, um deles ainda de colo, quando foi enganada, estuprada e covardemente assassinada. Ela saiu de casa para fazer um serviço de estética por apenas R$ 60. 

LEIA MAIS:
Caminhada em Ananindeua pede fim da violência contra a mulher
Já são pelo menos sete os casos ligados a maníacos de Marituba, diz polícia  
-
 Falta de punição para adolescentes é mito, diz advogado
Justiça decreta prisão de suspeito de estupros em série em Marituba
Acusados de estuprar e assassinar jovem esteticista são capturados em Marituba

Ainda no domingo, horas antes da descoberta do cadáver, um homem identificado como Jederson Menezes Alves, de 20 anos, foi preso e um adolescente de 17 anos foi apreendido como suspeitos de roubar, estuprar e assassinar a jovem. Além do feminicídio, o adolescente é apontado como responsável pelos raptos e estupros de pelos seis mulheres, incluindo Samara. Uma sétima vítima conseguiu fugir antes de sofrer abuso sexual. Jederson Menezes Alves estaria envolvido apenas no caso da morte da esteticista, mas a participação dele nos outros crimes ainda não foi descartada. 

Os suspeitos foram detidos pela Polícia Civil após dois dias de buscas. Na casa do adolescente foram encontrados aparelhos celulares utilizados para entrar em contato com as vítimas; uma camisa de mototaxista usada como disfarce; uma motocicleta e a bicicleta usada por ele para levar as jovens até o local onde cometeu os estupros e um assassinato. De acordo com a Polícia Civil, o adolescente já tinha passagem por roubo. Ele foi apreendido em dezembro do ano passado, mas ficou detido apenas um dia.

Os dois criminosos foram encontrados com a ajuda de uma das jovens que também foi vítima de abuso sexual, mas conseguiu escapar antes de ser assassinada. Ela levou a polícia aos locais onde o adolescente criminoso agrediu e estuprou as jovens. Lá, os policiais encontraram calcinhas e outros objetos pessoais das vítimas. 

O caso foi registrado na Seccional Urbana de Marituba, que dará continuidade às investigações.

Após a prisão e a apreensão, outras duas vítimas procuraram a delegacia para fazer o reconhecimento do adolescente apontado como autor dos estupros. Com as denúncias das duas jovens, são sete as vítimas do criminoso. Veja:


Samara Mescouto


A jovem, que morava no bairro do Marco, em Belém, desapareceu na sexta-feira (10), por volta de 8h da manhã. No dia anterior, ela havia anunciado em uma rede social promoções de serviços de estética com os quais trabalhava. Uma suposta cliente demonstrou interesse e entrou em contato com Samara através de um perfil falso na rede social. As duas combinaram o encontro por telefone e acertaram em um posto de gasolina, em Marituba, na manhã de sexta. Após o encontro, Samara não foi mais vista e nem retornou às mensagens de familiares, que, aflitos, iniciaram as buscas nas redes sociais.

O desaparecimento da jovem mobilizou milhares de pessoas no último final de semana. Esperançosos, familiares, amigos e inúmeros desconhecidos se solidarizaram com o caso e fizeram uma enorme campanha pedindo informações sobre o paradeiro da esteticista. Apesar das orações e mensagens de apoio, Samara foi encontrada sem vida, com sinais de espancamento, estrangulamento e violência sexual. Ela deixou três filhos pequenos, um deles, de colo, ainda era amamentado pela mãe.

A jovem era sobrinha de criação do deputado federal Eder Mauro, que auxiliou nas buscas pela jovem e captura dos suspeitos.

O corpo da jovem seria velado na Igreja do Evangelho Quadrangular, onde ela frequentava, situada na passagem Maria Aguiar, entre as travessas Vileta e Timbó, no bairro do Marco. Porém, não foi possível realizar o velório despedida. Depois de liberado do Instituto Médico Legal (IML), o corpo de Samara foi encaminhado diretamente ao Cemitério Max Domini, onde foi feita uma breve uma homenagem à vítima.

Outros casos

De acordo com a Polícia Civil, outro caso semelhante já havia sido relatado no dia 4 de janeiro deste ano e estava sendo investigado pela Delegacia de Marituba. Na ocasião, uma jovem, também de 20 anos, moradora do município de Benevides, na região metropolitana de Belém, foi violentada e roubada após anunciar seus produtos de beleza no Facebook. Novamente, uma suposta cliente encomendou itens de maquiagem e combinou de encontrar a jovem na praça Matriz de Marituba. Outra vez, a suposta cliente disse que não poderia ir buscá-la, mas havia pedido que um mototaxista de confiança fosse apanhá-la no local combinado. Ao chegar numa zona afastada do município, cercada de mato, o suspeito começou a agredir a jovem e a violentou sexualmente.

No dia 7 de janeiro, outra jovem também foi vítima do "maníaco de Marituba", mas, desconfiada, conseguiu pular da bicicleta do adolescente e fugiu antes de sofrer violência sexual.

Samara foi terceira vítima este ano, estuprada e morta no dia 10 de janeiro.

No dia 11 deste mês, duas jovens irmãs, que terão suas identidades preservadas, também foram vítimas do "maníaco de Marituba". Uma delas, que trabalha como manicure, está internada no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua, em estado grave, após ser cruelmente espancada. Ela e a irmã, que moram no bairro da Sacramenta, em Belém, foram enganadas da mesma forma pelo adolescente, e estupradas em seguida.

No último sábado, o suspeito combinou de encontrar a manicure na BR-316, de manhã. A jovem trabalhadora, no entanto, foi ao local acompanhada da irmã. Na hora acertada entre a manicure e a suposta cliente, um homem, porém, teria atendido a ligação da jovem, dizendo que a esposa havia saído de casa, mas que retornaria em breve. Ele se prontificou ainda a buscar a jovem de bicicleta. Como eram duas pessoas, a manicure e a irmã, ele disse, no entanto, que faria duas viagens até a residência.

Ele levou primeiramente a manicure até o encontro da hipotética esposa. A irmã dela, entretanto, estranhou a demora e começou a procurar pela irmã nos arredores de Marituba. Foi quando encontrou o adolescente durante o caminho. Ele também a levou de bicicleta, mas, ao chegar em uma localidade erma, passou a agredi-la e mandou que tirasse a roupa. A jovem foi abusada sexualmente e ainda teve cartões de crédito, dinheiro e o celular levados pelo criminoso. Em seguida, ele tentou matá-la estrangulada, mas a vítima conseguiu escapar após lutar com o suspeito. A jovem contou, em depoimento, que andou vários metros, seminua, até encontrar ajuda. Depois de ser socorrida, ela informou que a irmã ainda estava desaparecida. Após horas de buscas, a manicure foi achada em uma área mata, inconsciente. Ela foi levada ao HMEU, onde permanece internada.

Na delegacia de Marituba, todas as vítimas reconheceram o adolescente como autor dos estupros. Além dos quatro estupros e uma tentativa de estupro, após a apreensão, outras duas vítimas que sofreram abuso sexual no ano passado, em Marituba, confirmaram que o adolescente era o autor dos estupros. 

Perfil falso

O adolescente suspeito de ter cometido os estupros e o assassinato entrava em contato com as vítimas através de perfis falsos nas redes sociais. Ele fingia estar interessado nos serviços ofertados pelas jovens trabalhadoras e combinava de encontrá-las em Marituba, fazendo-se passar por uma mulher.

No ponto de encontro, ele inventava novas mentiras para levar as vítimas até a residência onde a suposta cliente estaria. Ele chegava a se apresentar às vítimas como Rayssa, Felipa, dentre outros nomes falsos. Batalhadoras, as jovens manicures, cabeleireiras, vendedoras, sequer desconfiavam que estavam indo ao encontro da violência, do abuso sexual, da morte.

Investigações


A Polícia Civil disse na manhã desta segunda-feira que novas vítimas podem ser descobertas após as prisões, e que já seriam pelo menos sete as vítimas dos casos que envolvem estupros em série e uma morte apurados em Marituba, incluindo o caso de Samara Mescouto, morta este fim de semana na Grande Belém. E o primeiro caso de estupro foi registrado ainda em junho do ano passado.

Na Delegacia Geral, situada na avenida Magalhães Barata, no bairro de Nazaré, em Belém, a Polícia Civil falou brevemente sobre o andamento das investigações. "A forma como o autor desses crimes utilizava para aliciar as suas vítimas era a rede social. Geralmente, as vítimas estavam oferecendo alguma coisa ou vendendo serviços. A partir daquele momento, o criminoso criou um perfil falso e, através de um aplicativo de comunicação, fazia se passar por uma mulher. E as vítimas iam (ao encontro da suposta cliente) para fazer a venda de seus produtos e, por de comunicação via aplicativo, ele mencionava (fingindo ser a cliente): 'olha, eu contratei um mototaxi que vai te buscar', ou 'o meu marido vai te buscar', quando na verdade era ele que ia lá buscar e levava as vítimas para um local ermo, geralmente de mata, e lá praticava os atos criminosos", explicou o delegado geral Alberto Teixeira.

Quaisquer informações que possam ajudar na elucidação do crime, podem e devem ser repassadas às autoridades policiais pelo Disque-Denúncia (181) ou junto ao Centro Integrado de Operações (190). Não é necessário se identificar e a ligação é gratuita. A redação integrada de O Liberal também recebe a qualquer momento denúncias e informações de ocorrências em texto, áudio, fotos e vídeo pelo WhatsApp: basta contactar no número (91) 98439-8833.

 

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM POLÍCIA