Estudo aponta que o Pará é o Estado que mais reduziu a violência

O Pará também figura como o quarto Estado que mais reduziu os números de roubos e furtos de veículos. Ficando atrás do Amapá, Acre e Maranhão.

Agência Pará

Dados divulgados no domingo (18) pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública do Fórum Brasileiro de Segurança Pública aponta o Pará como o Estado que mais diminuiu as ocorrências de violência em números absolutos, ao comparar os dados do primeiro semestre dos anos de 2019 e 2020, em todo o Brasil. Neste período, 374 vidas foram preservadas. No cenário nacional, as mortes violentas aumentaram 7,1% em relação a 2019.

Os homicídios, segundo o estudo, reduziram 24,5% em todo o Pará. Em 2019, foram computados 1.464 ocorrências e em 2020 o número totalizou 1.105. O latrocínio, que é o roubo seguido morte, caiu 15,9%. No ano passado, 69 ocorrências foram registradas e este ano 58. Já a Lesão Corporal Seguida de Morte diminuiu 19%. Foram 21 e 17 ocorrências nos anos de 2019 e 2020, respectivamente. 

Outro dado importante a se destacar é a queda de mortes de policiais militares e civis por crimes violentos Letais Intencionais (que reúne homicídio, latrocínio e lesão corporal seguida de morte) em 71%. No ano passado, nos seis primeiros meses, 28 policiais foram vítimas e este ano, no período equivalente, oito. Foi a maior redução de mortes de agentes públicos em números absolutos.  As mortes por intervenção policial também reduziram no Estado. No primeiro semestre do ano passado, 367 pessoas morreram durante confronto policial e este ano 259, resultando na diminuição de 29,4%, sendo esta a segunda maior redução em número absoluto do Barsil. No Brasil, o número de pessoas vítimas por intervenção policial cresceu 6%. 

Roubos e furtos 

O Pará também figura como o quarto Estado que mais reduziu os números de roubos e furtos de veículos. Ficando atrás do Amapá, Acre e Maranhão. No primeiro semestre do ano passado, 3.224 veículos foram roubados e furtados. Neste ano, foram 2.016 veículos, ocasionando uma diminuição de 37,5%, um número maior do que apresentado no cenário nacional que teve redução de 22,5%.   

De acordo com o secretário de segurança pública do Pará, Ualame Machado, o estudo do crime realizado e as medidas escolhidas, utilizando o mesmo número de efetivo e o mesmo orçamento aprovado em anos anteriores, fizeram com que a violência não apenas reduzisse no ano de 2019, mas como também se mantivesse em 2020.

“Nós fortalecemos as ações ostensivas da Polícia Militar com a maior presença policial nas ruas, o forte combate a organizações criminosas, desarticulando o crime organizado, assim como grupos de extermínio que atuavam muito fortemente na Região Metropolitana de Belém. Por outro lado, a Polícia Civil desarticulou e esclareceu muito rapidamente aqueles crimes que a PM não conseguia evitar  e dando respostas rápidas e eficientes, desestimulando a prática de novos delitos. Com a redução dos crimes, o Centro de Perícias Renato Chaves conseguiu melhorar a sua perícia, dando prova técnica às investigações e o sistema penitenciário, por sua vez, também teve uma grande melhora com o controle de novos procedimentos, sendo está à única instituição que substituiu parte de seus funcionários contratados  por servidores concursados. Então todas essas ações, de forma integrada, e usando muita inteligência policial e artificial foi possível reduzir, ainda em 2019 os dados, e conseguimos manter uma queda muito forte em 2020, diferente de muitos Estados que reduziram em 2019, mas não conseguiu manter em 2020. Estamos no caminho certo. Muito ainda foi feito e certamente muito ainda será realizado”, explicou o titular da Segup. 

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA