Veraneio inédito exige cuidados redobrados

Quem viajar deverá adotar novos cuidados durante o percurso, nos hotéis e praias

Eduardo Rocha

Para quem está na estrada ou já está em algum dos balneários do Pará neste veraneio de julho, ansioso para aproveitar momentos de descontração e confraternização nas praias e igarapés, é bom não esquecer que este verão é inédito, por causa do novo coronavírus. Assim, não basta cuidar do motor, pneus e peças do carro, garantir alimentação na viagem e na cidade-destino, nem só arrumar um bom lugar para ficar na praia, atenção com as crianças dentro e fora das águas e dispor de uma moradia na cidade para descansar. Agora, não se pode dar trégua para a covid-19, que, por ironia do destino, não tem férias.

A prevenção para não se tornar uma vítima do coronavírus e aproveitar o veraneio abrange, basicamente, os cuidados que se deve adotar em Belém e em outras cidades. É o caso do uso de máscaras, manter o distanciamento das pessoas e evitar aglomerações.

No entanto, essas medidas devem ser reforçadas em temporada de veraneio, como orienta a infectologista Helena Brígido, vice-presidente da Sociedade Paraense de Infectologia (SPI).

“Sair de casa para o veraneio este ano, com a incidência da covid-19, exige que a pessoa faça um planejamento específico. Por exemplo, além do uso de máscara nas viagens de ônibus, barcos e outros meios de transporte, se a pessoa for viajar com a família em veículo próprio, todos devem usar máscaras por estarem em trânsito em lugar público; de preferência; somente as pessoas da mesma família devem seguir viagem no carro, por causa do convívio que já têm. Esse mesmo procedimento, de permanecer juntas somente as pessoas que já convivem em casa, deve ser adotado na casa, pousada ou hotel onde elas vão ficar nas férias”, destaca Helena Brígido.

Na viagem até os locais de praia, as pessoas devem, preferencialmente, usar luvas de plástico na alimentação na estrada e não abrir mão das máscaras. Se a pessoa fizer seu lanche no carro, descartar luvas e material inutilizável em sacos de lixo e sempre usar álcool em gel. É importante usar máscaras no interior do carro, como precaução ao contágio, dado que durante a viagem se pode interagir com outras pessoas, como frentistas, vendedores ambulantes e condutores de veículos.

Precaução

A assistente social Ray Sarmento, 59 anos, irá com um filho adolescente e uma neta a Curuçá neste segundo final de semana do veraneio de julho. “Vamos até o nosso sítio, mais para passear um pouco após quatro meses dentro de casa, e para checar como está a segurança no veraneio, a fim de ver se a gente vai poder ou não sair de Belém nos demais finais de semana”, afirma Ray.

Para tanto, ele tem o maior cuidado com a alimentação que já leva de casa, junto com máscaras, álcool em gel e luvas. “Durante a viagem, somente sairei do carro para abastecer de combustível, se necessário, e nada de lanchar na rua”, completa. Curuçá, com praias e igarapés, é um dos pontos atrativos do verão paraense.

Na praia

Ao chegar às praias, é estratégico que as pessoas usem máscara na circulação no local e evitem usar o banheiro de barracas para tomar banho, por serem, em geral, locais fechados e com intenso fluxo de pessoas. O uso desses locais somente deve ser adotado em situações inevitáveis. É preferível se utilizar o conhecido chuveiro externo nas barracas nos calçadões de praia, sempre sem aglomeração de pessoas.

Não portar objetos e roupas desnecessárias na praia. É aconselhável se manter a mesa da família ou casal distante de outras na areia da praia. Mesmo cuidado requer o almoço nas barracas e restaurantes. Ao chegar a um desses locais para o almoço, os banhistas devem verificar se o estabelecimento está cumprindo as normas de saúde para prevenção da covid-19, inclusive, com relação ao atendimento nas mesas. Manter sempre à mão um dispositivo com álcool em gel.

Crianças

Com as crianças, o cuidado do distanciamento deve ser reforçado, até porque as mais pequenas não vão usar máscaras. Os adolescentes devem seguir as medidas adotadas pelos adultos. Deve-se evitar levar pessoas idosas e outras de grupos de risco para as praias; de preferência, eles devem ficar na casa de praia, permanecendo, assim, longe de eventual aglomeração de pessoas. Evitar horários de muita gente na praia, e nada de festas.

Levar uma quantidade razoável de máscaras para uso na praia, no veraneio, é também estratégico. Até porque o uso desse equipamento de proteção individual será constante durante toda a estada das pessoas no balneário.

“É importante seguir as normas de prevenção, inclusive, atentar-se para o fato de que se deve evitar aglomeração de pessoas, mesmo com as pessoas usando máscara”, observa a infectologista Helena Brígido.

Outro aspecto a merecer a atenção dos veranistas é que as normas de saúde contra a covid-19 são fiscalizadas pelos órgãos de Segurança Pública nas cidades praieiras do Pará.

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM PARÁ