Paraense é impedida de deixar Portugal após voo que viria para o Brasil fazer conexão no país e ser cancelado

"Não temos onde comer, onde dormir, onde tomar banho. A situação está caótica!", lamenta

Redação Integrada

A paraense Elisa de Conceição Rego está presa em Portugal desde a última terça-feira (17) após seu voo, que tinha como destino Fortaleza, fazer uma conexão no país e ser cancelado. Todos os passageiros que estavam no avião, incluindo ela e um grupo de amigos, estão impedidos de deixar Lisboa desde então.

BAIXE AQUI o guia de informações essenciais sobre o Coronavírus.

"Estávamos vindo da Holanda e paramos na França, único lugar de onde ainda estavam saindo voos para o Brasil. Conseguimos embarcar com destino a Fortaleza. Nem era nossa cidade, mas era para onde o voo iria, mas antes ele fazia uma conexão em Portugal. Assim que descemos em Portugal, fomos avisados que o voo para Fortaleza havia sido cancelado e desde ontem estamos dormindo nas ruas", disse.

De acordo com Elisa, que estava na Europa por motivos de trabalho, a Companhia Aérea informou que essa foi uma determinação do governo português e que a única coisa que poderiam fazer era esperar.  "O fato é que não tem como esperar! Os aeroportos foram fechados, os policiais fecharam a porta do aeroporto, hotéis, hostel, a fila fora do aeroporto está quilométrica. Tem gente dormindo na rua, tem gente sem euro, tem gente que não está comendo, tem gente chorando. A situação está triste, caótica mesmo. São muitos brasileiros, cerca de 500, com passagem na mão, e que não conseguem sair do país", denuncia.

Orientados a procurar a Embaixada e o Consulado do Brasil em Portugal, o grupo conta que foi aos locais e a única resposta que conseguiram foi um papel com um e-mail para que fizessem a solicitação online.

"Fomos ao consulado, à embaixada, fecharam a porta no nosso rosto, não deixaram a gente entrar nem para ir ao banheiro. A gente não sabe o que fazer, o que vai acontecer, estamos aqui jogados ao vento", lamenta. Ela ainda afirma que, no dia seguinte, ao tentarem novamente ir ao local, "fomos atendidos pelo embaixador do Brasil em Portugal, o doutor Carlos, que disse que a embaixada está sem dinheiro, que não tem como dar apoio para a gente agora, que não tem estrutura para acomodar os brasileiros e disse que a responsabilidade é da embaixada. Lá na embaixada, dizem que é do consulado e fica nisso". "Estamos presos em Portugal, sem conseguir voltar ao Brasil e sem ter como nos manter aqui, lugares que nos aceitam para dormir ou comer", completa.

Elisa também contesta a determinação de não liberarem os voos para Brasil, já que outros voos estão saindo do aeroporto para outros países e que aeroportos brasileiros não estão fechados.

"Por que a gente não pode ir, já que para outros países estão liberando?! Por que a gente não pode ir, se São Paulo, Fortaleza, Rio, ainda estão recebendo voo normal?", questiona. "A gente só quer voltar para o nosso país. Só isso! A gente não tem como se manter aqui na quarentena, por 40 dias, não tem como! Amanhã Portugal vai decretar estado de emergência e o que ainda está aberto, vai fechar. Casas de câmbio, lanchonete, não vamos ter dinheiro, não vamos ter onde comer. Estamos entrando em desespero. Tudo vai fechar e ninguém faz nada!", conclui.

A Redação Integrada tenta contato com a Embaixada do Brasil em Portugal. Acompanhe para mais informações.

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM PARÁ